Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Com menos foliões nas ruas, Brasília tem carnaval mais tranquilo - Jornal Brasil em Folhas
Com menos foliões nas ruas, Brasília tem carnaval mais tranquilo


O carnaval de Brasília foi marcado em 2018 pela presença de um número menor de foliões do que o registrado no ano passado e também pela queda nas ocorrências de violência. Nos quatro dias de folia, 750 mil pessoas brincaram nos blocos da capital. A maioria das intervenções policiais ocorreu em situações como brigas, desacato, roubo a transeunte, furto de celular, posse de arma branca e uso de drogas. Não foi registrado nenhum homicídio relacionado ao carnaval.

As informações constam de balanço apresentado hoje (14) por integrantes do Governo do Distrito Federal (GDF). Em relação à violência, de acordo com a Secretária de Segurança Pública e da Paz Social, o número de ocorrências em 2018 foi menor. Até as 6h da manhã desta quarta-feira de cinzas foram registrada 437 ocorrências, contra 562 do ano passado, uma redução de pouco mais de 22%.

“Esse foi um dos carnavais mais tranquilos que tivemos aqui em Brasília e os números representam isso. Em que pese ter havido algum tipo de violência, a gente fica com o sentimento de que o carnaval de Brasília é bastante tranquilo, disse o secretário de Segurança Pública, Cristiano Sampaio.

No total, o GDF promoveu a festa em 16 das 31 regiões administrativas do DF. A Polícia Militar empregou 5.500 agentes para trabalhar no carnaval, em 229 eventos. Até o momento, de acordo com o balanço da corporação, foram 51 roubos em 2018, bem menos do que os 141 de 2017. Foram apreendidas duas armas de fogo e 64 armas brancas e 48 pessoas foram presas.

Menos foliões

A quantidade de foliões que brincaram o carnaval nas ruas de Brasília foi a metade do registrado no ano passado, quando 1,5 milhão de pessoas bateram o recorde de público. Apesar disso, o secretário de Cultura, Guilherme Reis, comemorou o resultado da festa. “Foram 750 mil pessoas fazendo festa, uma festa linda, para criança, adulto e idoso. Um carnaval seguro, bacana e rico em termos culturais”, disse. “O planejamento foi para um público superior ao que efetivamente foi para a rua. O carnaval vinha crescendo e precisava mais dessa atenção. Precisava mais de banheiro químico, estrutura de saúde, brigadista e isso a gente ofereceu para a cidade”, afirmou Reis.

Questionado se a diminuição ocorreu em razão de mudanças no trajeto de desfiles e no fato de alguns blocos não terem saído por falta de verba, Reis disse que o número de foliões é representativo e indica um crescimento sustentável do carnaval. “Temos que pensar porque reduziu o número de pessoas esses números são aferidos pela Polícia Militar em algum momento. É um retrato da festa e pode não refletir o todo. É uma aferição complicada. Na minha opinião acho que estamos entre 750 a 900 mil pessoas e é um número bonito”, disse.

Gás de pimenta

Questionado sobre o uso de spray de pimenta pela polícia para dispersar os foliões em alguns blocos, Sampaio disse que o uso do dispositivo é recomendado por organismos internacionais por sua menor letaliade e que a corporação vai averiguar a possibilidade de ter havido abuso por parte das forças policiais. “Se houve utilização em excesso, a polícia sempre apura e tomas as providências. O gás não pode ser usado indiscriminadamente”, disse.

Trânsito

O Departamento Estadual de Trânsito (Detran) registrou a circulação de mais 314 mil veículos na área central de Brasília durante o carnaval. Foram 1.549 autuações, 257 veículos rebocados, 395 motoristas pegos dirigindo alcoolizados, 323 carteiras apreendidas, 524 multas devido a não utilização do cinto de segurança e 104 por uso do celular ao volante. Nenhum acidente com vítima fatal foi registrado. Em 2017 e 2016, foram registrada cinco mortes.

Depredação

Apesar de ter sido mais tranquilo, o carnaval no DF registrou um aumento no número de ocorrências envolvendo a depredação de bens públicos, ônibus e do metrô ao longo dos dias de carnaval. Ontem (14), após o encerramento dos desfiles dos blocos, houve registro de depredação no metrô. Janelas foram quebradas, o extintor de incêndio foi estourado, e o botão de emergência acionado, fazendo com que o trem ficasse parando durante muito tempo. Em nota, a companhia lamentou a ocorrência dos atos de vandalismo e disse que divulgará um balanço até o final do dia.

Edição: Amanda Cieglinski

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212