Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Produtos químicos presentes no ambiente podem aumentar o peso corporal - Jornal Brasil em Folhas
Produtos químicos presentes no ambiente podem aumentar o peso corporal


Os pesquisadores descobriram que os PFAS - também conhecidos como obesogenes por sua interferência com a regulação do peso corporal - estão vinculados a um ritmo metabólico mais lento em momentos de repouso.

Os produtos químicos usados em em em embalagens de alimentos, frigideiras com coberturas antiaderentes, pacotes de alimentos e peças de roupas podem fazer com que o peso corporal ao interferir no metabolismo, especialmente o das mulheres, afirma um estudo americano divulgado nesta terça-feira.

Estes produtos - conhecidos como substâncias de perfluoroalquil (PFAS) - foram anteriormente vinculados ao câncer, alterações hormonais, disfunção imunológica e colesterol elevado.

Agora, pela primeira vez, nossas descobertas assinalam um novo caminho no qual os PFAS podem estar interferindo na regulação do peso corporal nos humanos e contribuindo, portanto, para a epidemia de obesidade, afirmou o autor principal do estudo, Qi Sun, professor do departamento de Nutrição da Universidade de Harvard.

Os pesquisadores descobriram que os PFAS - também conhecidos como obesogenes por sua interferência com a regulação do peso corporal - estão vinculados a um ritmo metabólico mais lento em momentos de repouso.

Pessoas com altos níveis de PFAS em seu sangue também apresentaram metabolismo mais lento no processo de perda de peso.

O estudo avaliou dados de 621 pessoas com sobrepeso e obesidade que participaram um teste clínico realizado em meados da década de 2000.

O estudo analisou os efeitos de quatro dietas para perder peso, mas saudáveis para o coração, por um período de dois anos.

Em média, os voluntários perderam 6,4 kg de peso nos seis primeiros meses, mas ganharam 2,7 kg no ano e meio seguinte.

Aqueles que ganharam mais peso depois também tinham as maiores concentrações de PFAS no sangue, um vínculo mais forte entre as mulheres, segundo o estudo divulgado na publicação PLOS Medicine.

Os pesquisadores também descobriram que as pessoas com os níveis mais altos de concentração de PFAS no sangue tinham os mais baixos níveis de ritmo metabólico em estado de repouso.

Os PFAS existem há 60 anos e contaminaram fontes de água potável perto de setores industriais, bases militares e usinas de tramento de águas residuais.

Geralmente pensamos nos PFAS em termos de problemas de saúde como câncer, mas também têm um papel na obesidade, um problema de saúde considerável e que afeta milhões de pessoas, explicou o coautor do estudo, Philippe Grandjean, professor de saúde ambiental em Harvard.

 

Últimas Notícias

Michelle Bolsonaro e Marcela Temer visitam o Palácio da Alvorada
STF adia decisão definitiva sobre decreto de indulto natalino
Empresário repassou mansão a Adriana Ancelmo, diz delator
Audiência debate mudanças no currículo dos cursos de engenharia
Presidente eleito se reúne com Mozart Ramos, do Instituto Ayrton Senna
MP quer multar prefeitura de SP por falta de manutenção de viadutos
Criação de emprego formal desacelera 24,6% em outubro, revela Caged
Fábio Ramalho considera normal sua candidatura à presidência da Câmara

MAIS NOTICIAS

 

Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
 
 
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
 
 
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
 
 
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados
 
 
Bolsonaro confirma Mandetta para a Saúde
 
 
México habilita 26 empresas brasileiras para compra de carne de frango

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212