Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Contrariando Dilma, PT vai apoiar projeto que eleva gasto com saúde - Jornal Brasil em Folhas
Contrariando Dilma, PT vai apoiar projeto que eleva gasto com saúde


A bancada de deputados federais do PT decidiu em reunião nesta quarta-feira (2) apoiar a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) em tramitação na Câmara que pode resultar em um aumento dos gastos federais com saúde em mais de R$ 140 bilhões nos próximos sete anos.
O apoio do partido à PEC –que deve ir a votação no plenário da Câmara na noite desta quarta– abre mais uma linha de atrito entre o partido e a presidente Dilma Rousseff, que em seu segundo mandato tem tentado aprovar medidas de ajuste fiscal no Congresso.
Histórico apoiador do aumento de investimentos na saúde, o PT se chocou com as posições do Planalto, nos últimos tempos, em relação à proposta de reforma da Previdência (Dilma a classifica como prioritária, o partido não) e a mudanças nas regras de exploração do pré-sal (Dilma aceita discutir alterações, o PT quer manter o modelo atual).
“Vamos apoiar a PEC, mas com críticas. Tem que ter a fonte de financiamento disso. Governo e Congresso têm que achar, durante a tramitação, uma fonte de financiamento, que pode ser a CPMF”, disse o deputado Carlos Zarattini (PT-SP). “A PEC vai ser votada ainda em segundo turno, vai pro Senado, volta pra cá. Nesse tempo temos espaço para dialogar com o governo uma proposta mais consistente”, reforçou Zé Geraldo (PT-PA).

IMPACTO - A PEC foi desengavetada pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), adversário do governo. Ela determina um crescimento escalonado dos gastos mínimos obrigatórios em saúde dos cerca de 13% da receita corrente líquida para 19,4% em 2022. A aplicação subiria para para 15% em 2017, 16% em 2018, 17% em 2019m 18% em 2020, 18,7% em 2021 e 19,4% em 2022.
De acordo com a Consultoria de Orçamento da Câmara dos Deputados, a entrada em vigor da medida elevaria os gastos federais com saúde em 13,7 bilhões em 2017, chegando a mais de R$ 140 bilhões em 2022.
Para passar na Câmara, o texto tem que ter pelo menos 308 dos 513 votos, em dois turnos. Ela tem que ser aprovada também pelo Senado para ser promulgada.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212