Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Participação do Ministério Público no Fórum da Água é estratégica, diz promotor - Jornal Brasil em Folhas
Participação do Ministério Público no Fórum da Água é estratégica, diz promotor


A edição brasileira do Fórum Mundial da Água, que ocorre em Brasília entre 18 e 23 de março, contará, pela primeira vez, com a participação do Ministério Público e do Poder Judiciário. Para o promotor Carlos Vinícius Alves Ribeiro, membro auxiliar da Comissão de Acompanhamento Legislativo e Jurisprudência do Conselho Nacional do Ministério Público, a presença do órgão no evento é estratégica.

“No que toca à ação ou ao trabalho do Ministério Público, temos no país um deficit gigantesco de atuação estatal no que diz respeito à água. Temos questões seríssimas ligadas à coleta e tratamento de esgoto, à captação clandestina de água, o que acaba esvaziando nossos rios, gerando assoreamento”, afirmou.

Em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional, o promotor alertou que o Brasil tem atualmente uma tripé deficitário em relação à questão hídrica: dificuldade em levar água tratada para todos; inabilidade em tratar o esgoto produzido pela população; e captação ilegal de água que, segundo ele, acaba minando a capacidade hídrica do país e inviabilizando o acesso universal.

“A questão da água é fundamental – não só no Brasil, no mundo. Mas, por conta da nossa qualidade naturalmente hídrica, por conta do nosso volume hídrico, o Estado brasileiro segue sendo negligente e, por isso, o Ministério Público tem que usar os seus instrumentos”, disse. “A atuação extrajudicial do Ministério Público na tutela do meio ambiente, especialmente nos direitos das águas, é muito relevante”, completou.

Para o promotor, a criação de agências reguladoras como a Agência Nacional de Águas (ANA) contribuiu para que a atuação do Estado deixasse de ser totalmente difusa e se tornasse algo próximo a uma ação setorizada. “O Estado até passou a ser um pouco mais eficiente, mas ele passa a ser, principalmente, mais especialista”, explicou.

“As agências tornaram o Estado especialista em determinadas áreas, água, energia. E isso possibilita uma capilarização maior da atuação estatal. Essa capilarização torna o Estado presente onde antes era difícil que o braço estatal alcançasse. É óbvio que ainda não chegamos num ideal de atuação. É óbvio que o Estado é negligente e, rotineiramente, os organismos internacionais entendem que o Estado segue negligente em várias questões, inclusive na água. Mas há uma melhora crescente nessa atuação. Estamos caminhando”, ponderou.

Mais informações sobre o fórum podem ser obtidas no site oficial do evento.

Edição: Luana Lourenço

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212