Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Exportação brasileira de carnes cresce 8,9% em 2017 - Jornal Brasil em Folhas
Exportação brasileira de carnes cresce 8,9% em 2017


As exportações brasileiras de carnes bovina, suína e de frango tiveram um faturamento 8,9% maior em 2017 na comparação com o ano anterior, segundo o Ministério da Agricultura, Pecuário e Abastecimento (Mapa). O resultado é superior ao observado em 2016, quando as exportações cresceram menos de 1% frente a 2015, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias Exportadores de Carnes (Abiec). A queda do consumo interno e a crescente demanda do mercado chinês são as principais razões do crescimento observado em 2017.

Segundo a Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), a China importou 300 mil toneladas de carnes bovina, suína e de frango do país a mais em 2017 em relação a 2016. China e Hong Kong foram o destino de 58,1% da carne bovina exportada pelo Brasil no ano passado. O mercado chinês ainda foi responsável por 39,7% das exportações mineiras de carne de boi, segundo a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa). A exportações de carnes no Estado também cresceram 25% em 2017, puxadas principalmente pela carne bovina, que teve aumento de 68,7% no ano passado em comparação com 2016. “Os atrativos da carne mineira para a China são o preço e a qualidade”, explica o superintendente de Abastecimento da Seapa, João Ricardo Albanês. “A China tem como característica, além de um grande mercado consumidor, servir de entreposto para outros países no seu entorno”, diz a coordenadora da assessoria técnica da Federação da Agricultura de Minas Gerais (Faemg), Aline Veloso.

Outra motivação para o aumento das exportações foi a queda do consumo no Brasil. “A saída dos frigoríficos em um ano de crise econômica, que afetou as vendas no Brasil, foi buscar mercados aquecidos internacionais”, avalia o vice-presidente da SNA, Hélio Sirimarco. “Internamente, 2017 foi um ano difícil para o mercado da carne. O consumidor, diante da crise, diminuiu a demanda e fez substituições por carnes mais baratas ou ovo, buscando opções de proteína mais econômicas. Isso influenciou o aumento das exportações”, afirma Aline Veloso. A coordenadora ainda aponta como mais uma motivação da exportação o aumento do valor médio da tonelada de carne de boi em 2017 na comparação com 2016. No ano passado, o preço médio da tonelada foi de US$ 4.069,64, enquanto a média de 2016 foi de US$ 3.840,96.

Já no mercado brasileiro, o preço da carne bovina tem caído no atacado. Segundo a Scot Consultoria, nas duas primeiras semanas de 2018, o preço médio dos atacadistas no Brasil recuou 2%. Segundo a consultoria, a queda dos preços no atacado está atrelada à demanda retraída dos consumidores, que está fazendo frigoríficos e supermercados diminuírem as encomendas e manterem os estoques baixos.

Sem impacto

Carne Fraca. O vice-presidente da SNA, Hélio Sirimarco, salientou o bom resultado das exportações de carne em 2017 apesar da operação Carne Fraca, deflagrada em março do ano passado.

Mercado busca acordos com Mercosul e União Europeia

Mercosul e União Europeia são o alvo do mercado de carne brasileiro em 2018, segundo a coordenadora da assessoria técnica da Federação da Agricultura de Minas Gerais (Faemg), Aline Veloso. Além deles, Aline cita que a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) também procura abrir mercado em países como Coreia do Sul, México e Japão. Um possível acordo de exportação de carne para os dois blocos de países também é citado pelo vice-presidente da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), Hélio Sirimarco. “Estamos negociando acordos comerciais com os dois grupos. Mas também com a Inglaterra diretamente, que está saindo da UE”, explica o dirigente.

Para Sirimarco, a exportação de carne para o Estados Unidos está dificultada por questões comerciais. “Eles competem com a gente pelo mercado da China. Por isso, já tentaram criar barreiras para a carne brasileira”, diz.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212