Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 FAO exige políticas de Estado para reduzir fome e obesidade na América Latina - Jornal Brasil em Folhas
FAO exige políticas de Estado para reduzir fome e obesidade na América Latina


A FAO exige políticas de Estado para combater o aumento da fome, que afeta 42,5 milhões de pessoas, e a epidemia de obesidade, que atinge 90 milhões na América Latina, ante sua próxima conferência regional na Jamaica.

A fome na região não é fruto da falta de alimentos, mas um problema de acesso a eles, afirma a organização, que insta a uma solução política.

Trata-se de transformar a segurança alimentar em uma política de Estado, assegura a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que abordará estes temas na próxima conferência regional que será realizada entre 5 e 8 de março na Jamaica.

Isso se deve a que, pela primeira vez em duas décadas, a fome voltou a crescer na América Latina - em 2,4 milhões de pessoas - chegando a um total de 42,5 milhões em uma população de mais de 600 milhões na região.

Com uma prevalência de 13%, a Venezuela é o país da América Latina onde a fome mais aumentou. No período 2014-2015 contava com 4,1 milhões de pessoas subalimentadas frente a 1,1 milhão do período 2010-2012.

Outros países que registraram um aumento da fome neste período foram Argentina, Equador, El Salvador e Peru.

Mas o grande paradoxo é que ao mesmo tempo que a fome aumenta, cresce a obesidade, uma epidemia fora de controle em todos os países e setores sociais da região, segundo a organização.

Metade da população na América Latina tem sobrepeso e 90 milhões de pessoas são obesas, segundo o representante regional da FAO para América Latina e Caribe, Julio Berdegué.

Mas talvez o mais alarmante seja que metade das crianças em idade pré-escolar já têm problemas de sobrepeso e obesidade.

Na região, mais pessoas morrem devido à obesidade do que fruto dos homicídios, diz a FAO, que espera fomentar no encontro de março alianças entre todos os atores do sistema alimentar, para transformá-lo e garantir uma alimentação saudável, balanceada e nutritiva para todos.

A crise econômica e os episódios climáticos contribuíram para o aumento da fome, mas há fatores mais difíceis de combater, que têm origem na desigualdade, segundo Julio Berdegué.

Sem um impulso imediato e em grande escala, a região não poderá alcançar a meta do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável: Fome zero para o ano 2030, adverte a FAO, que quer pedir aos 33 países-membros da região um mandato para identificar os 100 territórios mais vulneráveis e pôr mais dinheiro, mais tempo e mais profissionais para eliminar estes bolsões de pobreza.

Além de trabalhar em uma agenda para frear o aumento da fome e da desnutrição, a FAO espera que na próxima conferência sejam criadas as bases para construir um futuro sem pobreza rural, transformar a agricultura para que seja sustentável e resiliente às mudanças climáticas, e resolver as causas da emigração para que esta seja uma opção e não uma necessidade.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212