Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 FAO exige políticas de Estado para reduzir fome e obesidade na América Latina - Jornal Brasil em Folhas
FAO exige políticas de Estado para reduzir fome e obesidade na América Latina


A FAO exige políticas de Estado para combater o aumento da fome, que afeta 42,5 milhões de pessoas, e a epidemia de obesidade, que atinge 90 milhões na América Latina, ante sua próxima conferência regional na Jamaica.

A fome na região não é fruto da falta de alimentos, mas um problema de acesso a eles, afirma a organização, que insta a uma solução política.

Trata-se de transformar a segurança alimentar em uma política de Estado, assegura a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que abordará estes temas na próxima conferência regional que será realizada entre 5 e 8 de março na Jamaica.

Isso se deve a que, pela primeira vez em duas décadas, a fome voltou a crescer na América Latina - em 2,4 milhões de pessoas - chegando a um total de 42,5 milhões em uma população de mais de 600 milhões na região.

Com uma prevalência de 13%, a Venezuela é o país da América Latina onde a fome mais aumentou. No período 2014-2015 contava com 4,1 milhões de pessoas subalimentadas frente a 1,1 milhão do período 2010-2012.

Outros países que registraram um aumento da fome neste período foram Argentina, Equador, El Salvador e Peru.

Mas o grande paradoxo é que ao mesmo tempo que a fome aumenta, cresce a obesidade, uma epidemia fora de controle em todos os países e setores sociais da região, segundo a organização.

Metade da população na América Latina tem sobrepeso e 90 milhões de pessoas são obesas, segundo o representante regional da FAO para América Latina e Caribe, Julio Berdegué.

Mas talvez o mais alarmante seja que metade das crianças em idade pré-escolar já têm problemas de sobrepeso e obesidade.

Na região, mais pessoas morrem devido à obesidade do que fruto dos homicídios, diz a FAO, que espera fomentar no encontro de março alianças entre todos os atores do sistema alimentar, para transformá-lo e garantir uma alimentação saudável, balanceada e nutritiva para todos.

A crise econômica e os episódios climáticos contribuíram para o aumento da fome, mas há fatores mais difíceis de combater, que têm origem na desigualdade, segundo Julio Berdegué.

Sem um impulso imediato e em grande escala, a região não poderá alcançar a meta do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável: Fome zero para o ano 2030, adverte a FAO, que quer pedir aos 33 países-membros da região um mandato para identificar os 100 territórios mais vulneráveis e pôr mais dinheiro, mais tempo e mais profissionais para eliminar estes bolsões de pobreza.

Além de trabalhar em uma agenda para frear o aumento da fome e da desnutrição, a FAO espera que na próxima conferência sejam criadas as bases para construir um futuro sem pobreza rural, transformar a agricultura para que seja sustentável e resiliente às mudanças climáticas, e resolver as causas da emigração para que esta seja uma opção e não uma necessidade.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212