Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Londres incrimina Rússia por ciberataque NotPetya - Jornal Brasil em Folhas
Londres incrimina Rússia por ciberataque NotPetya


O Reino Unido apontou Moscou e, em particular, seu Exército, como responsável pelo ciberataque NotPetya, que afetou milhares de computadores em todo o mundo em junho de 2017 - acusações categoricamente negadas pelo Kremlin.

Esta nova acusação de Londres é a última de uma série contra a Rússia, várias vezes apontada pelas autoridades políticas e militares britânicas como uma ameaça.

O governo britânico considera que o governo russo, especificamente o Exército russo, foi responsável pelo ataque destrutivo NotPetya de junho de 2017, declarou o ministro da Segurança e Contraterrorismo para a Commonwealth, Tariq Ahmad, em um comunicado.

Ele convocou o país a ser o membro responsável da comunidade internacional que pretende ser, em vez de, secretamente, tentar miná-la.

Já o ministro britânico da Defesa, Gavin Williamson, acrescentou que a Rússia não está jogando dentro das regras, ao minar a democracia, (...) visando a infraestruturas fundamentais e fazendo da informação uma arma.

Entramos em uma nova era de guerra, com uma mistura destrutiva e mortal de poder militar convencional e ataques cibernéticos maliciosos, acrescentou, citado pela agência de notícias Press Association.

- Objetivo: perturbar -

Essas acusações foram contestadas pelo Kremlin.

Nós negamos categoricamente tais declarações e as consideramos desprovidas de provas e sem mérito. Isso é apenas a continuação de uma campanha russofóbica, declarou seu porta-voz, Dmitry Peskov.

Iniciado na Ucrânia e na Rússia antes de se espalhar por todo mundo, o ataque de ransomware contaminou milhares de computadores. Em particular, perturbou multinacionais e infraestruturas críticas, como os controles em Chernobyl e os portos de Mumbai e Amsterdã.

Entre as empresas afetadas, destaque para a petroleira russa Rosneft, a transportadora dinamarquesa Maersk, a farmacêutica americana Merck, a francesa de materiais de construção Saint-Gobain e a de publicidade britânica WPP.

Na Ucrânia, o país mais afetado, em guerra com rebeldes separatistas pró-russos, as operações bancárias foram afetadas, bem como as telas de informação no principal aeroporto do país.

As autoridades mencionaram um ataque sem precedentes.

Sob o disfarce de uma empresa criminosa, o ataque foi principalmente destinado a perturbar, segundo o Ministério britânico das Relações Exteriores.

- Sem resposta eficaz -

Não é a primeira vez que Londres denuncia atos hostis da Rússia.

Em um discurso pronunciado em 2017, a primeira-ministra Theresa May citou a anexação ilegal da Crimeia, além das campanhas de ciberespionagem e da ingerência em eleições de outros países.

Em janeiro, o chefe do Estado-Maior britânico, general Nick Carter, declarou que a Rússia era uma ameaça e cobrou mais investimento para as Forças Armadas.

Pouco depois, o Reino Unido anunciou a criação de uma nova unidade nacional encarregada de lutar contra a desinformação proveniente de Estados estrangeiros - entre eles, a Rússia.

A Comissão de Informática, Cultura, Mídias e Esporte (DCMS, na sigla em inglês) da Câmara dos Comuns pede que Facebook e Twitter forneçam informações sobre uma possível interferência russa no referendo do Brexit em junho de 2016 e nas eleições legislativas posteriores.

A Rússia demonstra um interesse contínuo em capacidades além da força militar convencional, que são mais fáceis de desenvolver e implantar sem serem notadas, afirmou na quarta-feira o diretor do International Institute for Strategic Studies (IISS), John Chipman, apresentando o último relatório de sua organização.

Ainda não existe uma resposta efetiva do Ocidente sob a forma de medidas de contra-ataque, ou de sanções, afirmou.

Em outubro de 2017, o governo britânico acusou a Coreia do Norte de estar por trás do ataque mundial Wannacry ocorrido em maio. No episódio, o Serviço de Saúde Pública britânico (NHS) foi afetado.

De acordo com Londres, este ataque poderia ter sido motivado pelo desejo de Pyongyang, isolado na cena internacional, de acessar moeda estrangeira.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212