Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pezão diz que aceitou prontamente proposta de intervenção federal na segurança - Jornal Brasil em Folhas
Pezão diz que aceitou prontamente proposta de intervenção federal na segurança


O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, disse hoje (16) que já vinha pedindo que o presidente da República, Michel Temer, autorizasse o emprego de tropas militares numa missão de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ampliada no estado. As conversas avançaram e a conclusão foi pelo comando federal das forças de segurança locais.

“Eu aceitei prontamente, não tive resistência nenhuma. Vejo como uma parceria. Acho que no Brasil vai ser o grande tema a ser discutido. Segurança pública é uma chaga hoje no país”, disse o governador.

Pezão negou sentir-se “diminuído” com a entrega da segurança pública do Rio de Janeiro ao governo federal. Ele afirmou que é uma “oportunidade única” e acrescentou que já vinha tratando essa possibilidade com o governo federal há cerca de um ano.

O governador não tomará nenhuma decisão sobre o status do secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Roberto Sá. Com a segurança pública do estado entregue às forças federais, Sá perde o comando que tinha e, na prática, pode até ser exonerado. Segundo Pezão, o futuro do secretário ficará a cargo do general Walter Souza Braga Netto, chefe do Comando Militar do Leste, escolhido para comandar a intervenção.

“Vamos ver o que o general Braga Netto vai fazer. Ele vai conversar, ele se dá muito bem com Roberto Sá. A gente tinha uma ótima integração com o Comando do Leste. Ele vai ter a autonomia, como o Roberto Sá teve, de escolher seus auxiliares. Nunca interferi e muito menos agora”, disse.

Queda de receita

Pezão relacionou a crise de segurança com a crise financeira do estado, já que os servidores da área passaram a trabalhar de forma precária. “Tivemos problemas financeiros graves, e ainda temos. Temos cerca de 60% da nossa frota paralisada, ainda devemos o 13º salário de 2016. Foi um quadro muito difícil para nossa área de segurança trabalhar”.

O governador disse que não se sente culpado pela crise no estado. Segundo ele, a queda de receita dos royalties do petróleo foi responsável pelo problema. E lamentou a queda do preço do barril do petróleo pouco depois de ter assumido o governo. “Eu não sou culpado de ter chegado em abril com US$ 115 o barril do petróleo, governar um ano e dois meses com o preço do barril a US$ 28, depois quase um ano a US$ 32 o barril. O Rio tem uma dependência muito forte do petróleo. Tivemos uma queda de receita de 26%. Não é trivial”.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio entrega título de Cidadã Goiana a cantora Joelma
Fundo Nacional do Idoso é aprovado na Câmara
Aval do TCU é suficiente para cessão onerosa, dizem técnicos da Corte
Acordo possibilitará investimentos privados em segurança pública
Vazamento de óleo afetará reprodução da fauna em mangue, diz ONG
Temer e Bolsonaro lamentam tragédia em Campinas
Jungmann coloca PF à disposição para apuração de caso de Campinas
Ministro da Cultura inicia comemorações aos 200 anos da independência

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212