Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pezão diz que aceitou prontamente proposta de intervenção federal na segurança - Jornal Brasil em Folhas
Pezão diz que aceitou prontamente proposta de intervenção federal na segurança


O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, disse hoje (16) que já vinha pedindo que o presidente da República, Michel Temer, autorizasse o emprego de tropas militares numa missão de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ampliada no estado. As conversas avançaram e a conclusão foi pelo comando federal das forças de segurança locais.

“Eu aceitei prontamente, não tive resistência nenhuma. Vejo como uma parceria. Acho que no Brasil vai ser o grande tema a ser discutido. Segurança pública é uma chaga hoje no país”, disse o governador.

Pezão negou sentir-se “diminuído” com a entrega da segurança pública do Rio de Janeiro ao governo federal. Ele afirmou que é uma “oportunidade única” e acrescentou que já vinha tratando essa possibilidade com o governo federal há cerca de um ano.

O governador não tomará nenhuma decisão sobre o status do secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Roberto Sá. Com a segurança pública do estado entregue às forças federais, Sá perde o comando que tinha e, na prática, pode até ser exonerado. Segundo Pezão, o futuro do secretário ficará a cargo do general Walter Souza Braga Netto, chefe do Comando Militar do Leste, escolhido para comandar a intervenção.

“Vamos ver o que o general Braga Netto vai fazer. Ele vai conversar, ele se dá muito bem com Roberto Sá. A gente tinha uma ótima integração com o Comando do Leste. Ele vai ter a autonomia, como o Roberto Sá teve, de escolher seus auxiliares. Nunca interferi e muito menos agora”, disse.

Queda de receita

Pezão relacionou a crise de segurança com a crise financeira do estado, já que os servidores da área passaram a trabalhar de forma precária. “Tivemos problemas financeiros graves, e ainda temos. Temos cerca de 60% da nossa frota paralisada, ainda devemos o 13º salário de 2016. Foi um quadro muito difícil para nossa área de segurança trabalhar”.

O governador disse que não se sente culpado pela crise no estado. Segundo ele, a queda de receita dos royalties do petróleo foi responsável pelo problema. E lamentou a queda do preço do barril do petróleo pouco depois de ter assumido o governo. “Eu não sou culpado de ter chegado em abril com US$ 115 o barril do petróleo, governar um ano e dois meses com o preço do barril a US$ 28, depois quase um ano a US$ 32 o barril. O Rio tem uma dependência muito forte do petróleo. Tivemos uma queda de receita de 26%. Não é trivial”.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212