Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ciberataques são caros e podem piorar, alerta relatório dos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Ciberataques são caros e podem piorar, alerta relatório dos EUA


Os ciberataques custaram aos Estados Unidos entre 57 e 109 bilhões de dólares em 2016, segundo um relatório da Casa Branca divulgado nesta sexta-feira (16), advertindo sobre um efeito derrame para toda a economia se a situação piorar.

Um relatório do Conselho de Assessores Econômicos da Casa Branca tentou quantificar o que denominou de atividade cibernética maliciosa a entidades privadas e públicas, incluindo ataques de denegação de serviço, violações de dados e roubo de propriedade intelectual, informações financeira e estratégica delicadas.

Também advertiu sobre a atividade maliciosa dos Estados-nação e, especificamente, citou Rússia, China, Irã e Coreia do Norte.

O relatório assinalou uma preocupação especial com os ataques à chamada infraestrutura crítica - como estradas, redes elétricas, sistemas de comunicação, represas e instalações de produção de alimentos -, que poderiam gerar um efeito derrame além dos alvos diretos.

Se uma empresa possui um ativo de infraestrutura crítica, um ataque contra essa empresa poderia causar uma grande alteração em toda a economia, indicou.

Também destacou que preocupam os ataques cibernéticos contra os setores financeiro e energético, que são interdependentes e estão fortemente conectados à Internet.

Não deu muitas recomendações sobre como melhorar a cibersegurança, mas assinalou que a situação se vê prejudicada pela informação insuficiente, assim como pela falta de investimento nos sistemas de defesa do setor privado.

O documento foi divulgado um dia depois de funcionários americanos culparem a Rússia pelo ciberataque NotPetya de 2017, qualificando-o como um esforço do Kremlin por desestabilizar a Ucrânia que saiu de controle e afetou companhias em Estados Unidos, Europa e outros locais.

Apontou que Rússia, China e Coreia do Norte muitas vezes se envolvem em ataques sofisticados e dirigidos, com ênfase na espionagem industrial.

Se têm necessidade de financiamento, podem realizar ataques de resgate e roubo eletrônicos de fundos, assegurou.

Mas também foram vistas ameaças de hackers ativistas, ou grupos motivados politicamente, assim como de organizações criminosas, adversários corporativos e oportunistas.

Como recomendação, o relatório sustenta que compartilhar mais dados poderia ajudar a frustrar alguns ataques.

A proteção cibernética poderia melhorar muito se as informações sobre violações de dados e ciberataques anteriores fossem compartilhadas mais facilmente entre as empresas.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212