Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Em dia de comemoração, campeãs do Rio comentam desempenho e já falam sobre 2019 - Jornal Brasil em Folhas
Em dia de comemoração, campeãs do Rio comentam desempenho e já falam sobre 2019


Enquanto no Sambódromo a movimentação de celebridades atrai a atenção do público, nas concentrações das escolas de samba que estão prestes a entrar na avenida, o assunto é outro. Enquanto o desfile não começa, componentes e dirigentes das agremiações fazem um balanço da folia de 2018 e já falam sobre as expectativas para o ano seguinte.

Na campeã Beija-Flor, o diretor de carnaval Laíla, que na quarta-feira após o resultado da apuração indicou que poderia deixar a escola, desconversou e disse que o assunto vai ser discutido somente na semana que vem. Ele está na agremiação desde 1989, apenas com um breve intervalo entre 1992 a 1994, quando trabalhou na Grande Rio.

Na concentração da Beija-Flor, a ex-passista Maria da Penha Ferreira Ayoub, a Pinah, que em 1978 dançou com o príncipe Charles durante uma visita dele ao Brasil e se destacou na escola entre os anos 70 e 90, agradeceu por ter participado de todos os desfiles campeões.

“Graças a Deus são 14 estrelinhas [títulos] e eu participei das 14 estrelinhas da Beija-Flor. Tenho muito orgulho cada vez que a minha escola ganha um título, cada vez que a minha comunidade fica feliz. O meu pavilhão sorri a toa, então, estou muito feliz pelo dia de hoje”, comemorou.

Para quem não figurou entre as primeiras, o desfile das campeãs vale também como avaliação. O presidente da Mocidade Independente de Padre Miguel, Wandyr Trindade, o Macumba, se conformou com o sexto lugar da escola. “O que aconteceu conosco é que perdemos o carnaval para nós mesmos. Não tinha jeito. Gostei dos resultados de todas elas [as seis primeiras]. Foi muito bom. Para o ano que vem vamos procurar corrigir os erros”, afirmou.

Repercussão

Na Paraíso do Tuiuti, o compositor e cantor Moacyr Luz, um dos autores do samba enredo, disse que eles tinham consciência do desafio, mas não sabiam da repercussão que seria alcançada e do vice-campeonato. O enredo deste ano foi Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?, que trouxe várias críticas sociais e políticas para a avenida.

“Surpreendeu e emocionou a todos. A gente vinha de uma preocupação para que a escola não caísse e de repente a gente vê uma coisa inédita acontecer que é a escola terminar como vice-campeã, com um décimo de diferença [do 1º lugar]. Fiquei muito feliz porque o nosso samba teve quatro [notas] dez, foi o diferencial da escola”, contou.

Também antes de começar o desfile, o carnavalesco da Tuiuti, Jack Vasconcelos, contou que nos últimos dias precisou correr para reorganizar a escola para retornar à Sapucaí neste sábado. “No duro, a gente não contava que fosse voltar nas campeãs, que o nosso julgamento fosse justo, porque não é um histórico que a gente vem vendo nos últimos anos em relação às escolas consideradas com bandeira mais fraca em comparação com outras. A gente sabia que tinha um projeto bom para caramba, mas tinha medo de como seria julgado. A gente fez o que achava que tinha a fazer. Isso aqui é muito verdadeiro”, afirmou.

Jack Vasconcelos comentou ainda a repercussão das críticas políticas realizadas pela escola em várias alas, entre elas o carro alegórico que trouxe um integrante vestido de vampiro usando uma faixa presidencial. Neste sábado, a fantasia não incluía o adereço.“A gente precisava que as pessoas entendessem o que a gente estava falando. Era uma grande charge. A gente tem a consciência tranquila de que é o papel de uma escola de samba e do carnaval. O carnaval tem isso na sua essência, essa crítica, essa piada, essa coisa bem-humorada até em cima de assuntos um pouco sérios”, disse.

Segundo o carnavalesco, o título era um sonho da comunidade. “Isso aqui é a realização de um sonho de gerações, de pessoas que ajudaram a fundar esta escola, quer dizer, é um sentimento que envolve famílias e histórias”. Ele disse que pretende descansar por alguns dias para depois conversar com a diretoria da escola sobre a sua manutenção como carnavalesco.

Mangueira

Na visão da cantora Alcione, que veio em um dos carros alegóricos da sua escola do coração, a Mangueira fez os componentes e o público se divertirem. “O enredo é maravilhoso. A Mangueira resgatou o carnaval genuíno. É o que está acontecendo”, disse. Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco era o tema da escola que trouxe para avenida a histórias de outros carnavais.

A também mangueirense Beth Carvalho conseguiu participar do desfiles das campeãs neste sábado. Ela desfilaria na madrugada de segunda-feira de carnaval, mas por problemas de saúde não pode ir para a avenida. É uma emoção muito grande e quando eu cheguei estava tocando o hino do [bloco] Bola Preta. É bom demais”, se referindo ao esquenta que a Mangueira estava fazendo com marchinhas de carnaval.

Leandro Vieira, desde 2016 na escola, adiantou que permanecerá como carnavalesco da Mangueira. “Faz parte da festa ter o primeiro, o segundo, o terceiro, o quarto, o quinto, sexto, o que sobe e o que cai. É isso. O negócio é ter humildade, reconhecer as nossas falhas e ano que vem, vir pronto para ganhar de novo. Continuo na Mangueira firme e forte”, revelou.

Portela

O presidente da Portela, Luis Carlos Magalhães, lamentou a colocação da escola em quarto lugar, ainda mais por ter ficado apenas dois décimos abaixo da campeã Beija-Flor. No entanto, para ele, o que vale é se manter entre as escolas que voltam a desfilar no Sábado das Campeãs. “Nos últimos anos levamos cinco troféus para casa. Isso que é importante. Mostrar a regularidade da Portela, que voltou a ser competitiva e pode ganhar a qualquer momento”, indicou, garantindo que a carnavalesca Rosa Magalhães vai ser mantida na função.

O ex-prefeito do Rio Eduardo Paes, que quando ocupava o cargo, costumava estar presente em todos os dias de desfiles da Sapucaí, apareceu neste sábado. Como portelense, foi para a pista como sempre fazia, beijou a bandeira da escola, abraçou integrantes e se divertiu com a bateria, mas preferiu não dar declarações à imprensa.

Edição: Amanda Cieglinski

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212