Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Kremlin diz que não há provas de interferência russa nas eleições americanas - Jornal Brasil em Folhas
Kremlin diz que não há provas de interferência russa nas eleições americanas


Não há provas significativas de que o governo russo tentou influenciar as eleições presidenciais americanas, afirmou nesta segunda-feira o Kremlin, depois que 13 russos foram acusados nos Estados Unidos por tentativa de favorecer a campanha de Donald Trump.

A acusação da Justiça americana dos cidadãos russos, incluindo uma pessoa próxima ao presidente Vladimir Putin, e três empresas, deu uma nova dimensão à investigação liderada pelo procurador especial Robert Mueller.

Mas para Moscou, que refuta reiteradamente ter trabalhado para promover a eleição do republicano, os indiciados são meras personalidades que não têm relação com o Estado russo.

Seguimos sem ver provas significativas de que alguém teria se envolvido nas eleições americanas, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov

Todos os indiciado ​​são acusados ​​de conspiração para enganar os Estados Unidos, três deles também são acusados ​​de fraude bancária e cinco outros de roubo agravado de identidade.

Entre esses russos figura Evgeny Prigojin, pessoa próxima a Putin. De acordo com a acusação, ele supostamente financiou esse grupo com o objetivo de semear a discórdia no sistema político americano.

O documento de acusação, no entanto, não menciona conivência entre a equipe de campanha de Trump e o governo russo, com uma referência apenas a cidadãos russos.

Não há nenhum indício de que o governo russo estaria envolvido, completou Peskov.

Por isto insistimos que consideramos estas provas infundadas, não as consideramos em nada exaustivas ou legítimas e não podemos concordar com elas, disse.

A Rússia não se envolveu ou não costuma envolver-se nos assuntos de outros países. E não faz isto atualmente, concluiu Peskov.

- Morrendo de rir -

O ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov, já havia denunciado no sábado em Munique as acusações americanas como falatório.

Temos acusações, mas as provas não foram apresentadas, denunciou nesta segunda-feira.

Evgueni Prigojine, o principal alvo das acusações, afirmou que se os americanos querem ver (em mim) um diabo, deixem que o façam.

Seu nome foi citado pela imprensa russa relacionado à fábrica de trolls de São Petersburgo, uma companhia que estaria ligada à inteligência russa e que alimentaria milhares de contas falsas nas redes sociais para tentar influenciar a opinião pública na Rússia e no exterior segundo os objetivos do Kremlin.

Donal Trump declarou no domingo que a Rússia havia alcançado seus sonhos mais loucos, se sua intenção era semear a discórdia nos Estados Unidos, mas se absteve de desafiar diretamente Moscou por sua intromissão nas eleições.

Em uma série de tuítes, Trump culpou seu predecessor, Barack Obama, por não deter a Rússia e acusou o FBI de passar tempo demais tentando provar o conluio com sua equipe de campanha.

Estão morrendo de rir em Moscou. Seja inteligente, América!, acrescentou.

As acusações contra a Rússia são particularmente sensíveis neste ano eleitoral nos Estados Unidos, com as eleições parlamentares cruciais de novembro em perspectiva.

O chefe de inteligência americano, Dan Coats, assegurou que a Rússia repetiria as receita de 2016 para tentar influenciar a votação.

Mas Donald Trump tem sido cuidadoso em denunciar abertamente a alegada interferência de Moscou, insistindo na inocência de sua equipe de campanha e empurrando o caso de conluio para os democratas e seu antecessor, Barack Obama.

Os principais serviços de inteligência - incluindo CIA e NSA - e o FBI já denunciaram a interferência russa na eleição presidencial de 2016 através de campanhas nas redes sociais e roubo de informações do partido Democrata americano.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212