Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Operação com militares e policiais civis em favela recebe apoio de moradores - Jornal Brasil em Folhas
Operação com militares e policiais civis em favela recebe apoio de moradores


Fuzileiros Navais, policiais civis e militares entraram logo nas primeiras horas desta terça-feira (20) na Favela Kelsons, ao lado do Centro de Instrução Almirante Alexandrino (CIAA), uma unidade de instrução da Marinha. A operação foi realizada para prender traficantes que dominam a comunidade e realizaram ameaças e disparos contra a unidade nos dias 21 e 25 de janeiro.

Foram utilizados blindados nas principais entradas da favela e os militares revistaram carros e pessoas que entravam ou saiam da favela. Apesar do transtorno da revista e da presença ostensiva dos soldados, os moradores que aceitaram falar com a reportagem da Agência Brasil, com a garantia de omitir os nomes e a imagem, disseram que não estavam incomodados com a presença dos militares e policiais. Ao contrário, elogiaram e pediram que essa presença fosse permanente.

“Se você conhece o inferno, ele é aqui. Com certeza, é boa a presença dos militares. Isso aí é para ter todo o dia. Eu tô querendo me mudar daqui. O pessoal é abusado, um inferno. Para mim, se os militares ficarem direto, eu mudo de ideia de ir embora. O Exército todo dia ia acabar a vagabundagem. Tem muito roubo de carga também”, desabafou um comerciante.

Outro morador, que também trabalha em um comércio na Kelsons, também disse apoiar a presença das Forças Armadas, mas pediu que os militares ficassem permanentemente. “Eles têm que ficar direto para acabar com esses problemas. A gente que trabalha aqui não tem sossego. Toda hora é tiroteio. Antes aqui era milícia, agora é o tráfico. Nenhum lado é bom. Tem que ser intervenção mesmo. Se for para ficar, tudo bem. Ida e volta é que fica difícil. Aí não adianta nada, pois o cidadão fica no meio”, disse o morador.

Mesmo para um jovem abordado pelos militares, em uma minuciosa revista, a presença dos fuzileiros não representava um transtorno. Segundo ele, é melhor para a comunidade.
“Para mim está ótimo. Não tenho nada contra. A paz tem que ter mesmo, porque o Rio de Janeiro está uma bagunça”, disse o jovem, que tem um pequeno comércio de serviços no interior da favela.

Uma senhora, na faixa dos 70 anos, que passava pela barreira militar, ao ser perguntada se concordava com a presença dos soldados, evitou responder. Apenas olhou para os soldados e fez que sim com a cabeça. Outros moradores, abordados pela reportagem, preferiram desconversar e evitaram fazer declarações, com medo de represálias dos traficantes que dominam o local.

Balanço

Segundo balanço divulgado pela Secretaria de Estado de Segurança, além da operação na Kelsons, houve ações de cerco, desobstrução de vias e ações de estabilização nas comunidades de Cidade Alta, Pica Pau, Cinco Bocas e Tinta, todas na zona norte. Também foram realizados bloqueios em diversas rodovias federais e vários pontos da divisa do Rio com os demais estados do Sudeste.

O resultado final foi a prisão de 11 pessoas, com apreensão de cinco pistolas, um revólver, seis granadas, seis carregadores de pistolas, 11 rádios de comunicação. Também foram apreendidos um caminhão, dois carros, quatro motos e uma quantidade de drogas e munições não especificada.

De acordo com a secretaria, as ações foram realizadas no âmbito do Decreto Presidencial de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para ações em apoio ao Plano Nacional de Segurança Pública, assinado em 28 de julho de 2017, e não estão vinculadas à intervenção federal na segurança do estado.

Participaram da operação, além das Forças Armadas, as polícias Civil e Militar, rodoviárias Federal e Estadual e a Força Nacional de Segurança.

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212