Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Expedição volta da zona abissal da Austrália com animais mais feios do mundo - Jornal Brasil em Folhas
Expedição volta da zona abissal da Austrália com animais mais feios do mundo


Mais de 100 espécies de peixe que raramente podem ser observadas foram retiradas das profundidades da zona abissal da Austrália durante uma expedição científica - revelaram os pesquisadores nesta quarta-feira (21), apresentando alguns dos animais mais feios do mundo.

Com a ajuda de redes, sonares e câmeras especiais para perscrutar os recônditos do oceano, os cientistas passaram um mês em uma embarcação na costa do leste da Austrália para estudar a fauna que vive a cerca de 4,8 quilômetros de profundidade.

Na viagem, foram capturados cerca de 42.000 peixes e invertebrados, alguns dos quais podem ser novas especies. O material será analisado por um grupo de cientistas esta semana em Hobart, capital da Tasmânia.

Entre os animais, há vários peixes-gota, um tipo característico por seu aspecto aterrador. Em 2013, um deles, o Psychrolutes microporos, foi votado como o animal mais feio do mundo em uma lista promovida por um grupo para preservação do meio ambiente e que se tornou uma sensação global.

Outras estrelas da mostra são um tubarão biolumiscente com dentes afiados como facas, um espantoso peixe-lagarto, ou o gracioso peixe-tripé, que espera no fundo do mar que a comida chegue ao seu alcance.

Para o especialista Martin Gomon, do Museu Victoria, a reunião em Hobart é a primeira tentativa sistemática de examinar a vida na zona abissal da Austrália.

Para nós, a bordo, houve muita emoção de poder ver esses incríveis peixes que nos entregam essa informação quando emergem nas redes, e estamos esperando com ansiedade a oportunidade de examiná-los mais de perto em Hobart esta semana, disse Gomon.

A vida nessas profundidades enfrenta condições únicas pela falta de luz, pela escassez de alimento e pelas gélidas temperaturas, motivo pelo qual os animais que se adaptam a esse entorno desenvolvem características únicas para sobreviver.

Já que têm pouca comida, são, em geral, pequenos e se movem lentamente. Muitos parecem medusas e passam a vida flutuando, mas outros são predadores com espinhos e presas assustadores.

O encarregado da Coleção Nacional de Peixes da Austrália, Alastair Graham, disse que este é o maior e mais profundo hábitat do planeta, cobrindo um terço do território da Austrália.

Mas continua sendo o lugar menos explorado da Terra, apontou.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212