Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Expedição volta da zona abissal da Austrália com animais mais feios do mundo - Jornal Brasil em Folhas
Expedição volta da zona abissal da Austrália com animais mais feios do mundo


Mais de 100 espécies de peixe que raramente podem ser observadas foram retiradas das profundidades da zona abissal da Austrália durante uma expedição científica - revelaram os pesquisadores nesta quarta-feira (21), apresentando alguns dos animais mais feios do mundo.

Com a ajuda de redes, sonares e câmeras especiais para perscrutar os recônditos do oceano, os cientistas passaram um mês em uma embarcação na costa do leste da Austrália para estudar a fauna que vive a cerca de 4,8 quilômetros de profundidade.

Na viagem, foram capturados cerca de 42.000 peixes e invertebrados, alguns dos quais podem ser novas especies. O material será analisado por um grupo de cientistas esta semana em Hobart, capital da Tasmânia.

Entre os animais, há vários peixes-gota, um tipo característico por seu aspecto aterrador. Em 2013, um deles, o Psychrolutes microporos, foi votado como o animal mais feio do mundo em uma lista promovida por um grupo para preservação do meio ambiente e que se tornou uma sensação global.

Outras estrelas da mostra são um tubarão biolumiscente com dentes afiados como facas, um espantoso peixe-lagarto, ou o gracioso peixe-tripé, que espera no fundo do mar que a comida chegue ao seu alcance.

Para o especialista Martin Gomon, do Museu Victoria, a reunião em Hobart é a primeira tentativa sistemática de examinar a vida na zona abissal da Austrália.

Para nós, a bordo, houve muita emoção de poder ver esses incríveis peixes que nos entregam essa informação quando emergem nas redes, e estamos esperando com ansiedade a oportunidade de examiná-los mais de perto em Hobart esta semana, disse Gomon.

A vida nessas profundidades enfrenta condições únicas pela falta de luz, pela escassez de alimento e pelas gélidas temperaturas, motivo pelo qual os animais que se adaptam a esse entorno desenvolvem características únicas para sobreviver.

Já que têm pouca comida, são, em geral, pequenos e se movem lentamente. Muitos parecem medusas e passam a vida flutuando, mas outros são predadores com espinhos e presas assustadores.

O encarregado da Coleção Nacional de Peixes da Austrália, Alastair Graham, disse que este é o maior e mais profundo hábitat do planeta, cobrindo um terço do território da Austrália.

Mas continua sendo o lugar menos explorado da Terra, apontou.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212