Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Operação desmantela rede que traficava cocaína para Rússia - Jornal Brasil em Folhas
Operação desmantela rede que traficava cocaína para Rússia


Uma investigação secreta conjunta entre Argentina e Rússia permitiu apreender 389 quilos de cocaína, avaliados em 50 milhões de euros, escondidos em 16 malas em um anexo da embaixada russa em Buenos Aires, informou o governo argentino nesta quinta-feira (22).

Trata-se de uma facção narcocriminosa que estava tentado usar o correio diplomático da embaixada russa para levar a droga à Europa, explicou em coletiva de imprensa a ministra da Segurança, Patricia Bullrich.

Cinco pessoas foram detidas - duas na Argentina e três na Rússia - ao fim da investigação que durou mais de um ano.

Segundo a ministra, trata-se de uma das operações mais complexas, extravagantes e profissionais que a Argentina já teve em questão de tráfico de drogas.

A droga foi encontrada em um anexo da legação diplomática após a investigação gerada pela denúncia do embaixador russo na Argentina, Viktor Koronelli.

Segundo o relato de Bullrich, em 13 de dezembro de 2016 o embaixador Koronelli ligou para ela e logo depois se apresentou pessoalmente com três membros do Serviço de Segurança russo para comunicar suas suspeitas.

A investigação teve início quando o juiz Julián Ercolini emitiu a ordem.

O embaixador nos entregou uma chave para entrarem pela lateral. Tiraram as malas às 03h00, mas tinham que colocá-las de volta antes das 06h00, quando chegava a equipe de ordenança do local, contou Bullrich.

Às 03h00 tivemos que mandar a equipe da Gendarmeria para comprar farinha no mercado central porque ninguém tinha 389 quilos de farinha em depósito, continuou.

Os pacotes de cocaína foram substituídos por outros idênticos com farinha e as malas eram monitoradas 24 horas.

Depois que os traficantes tentaram diferentes rotas de navegação que não deram certo, em dezembro de 2017 as malas partiram em um avião oficial para a Rússia no compartimento de bagagem diplomática, como parte da mudança de Ali Abyanov, ex-funcionário da embaixada e um dos os detidos.

Na chegada a Moscou, as malas foram colocadas no Ministério do Interior até que duas pessoas, Ishtimir Khudzhmov e Vladimir Kalmykov, apareceram para pegá-las e foram detidas.

Esta carga representa cerca de 50 milhões de euros, avaliada no mercado de vendas de cocaína na Rússia, afirmou.

Os detidos na Argentina são dois, Ivan Blizniouk e Alexander Chikalo, o primeiro deles argentino nacionalizado na Rússia e desde 2013 membro da Polícia de Buenos Aires, disse Bullrich.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212