Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Operação desmantela rede que traficava cocaína para Rússia - Jornal Brasil em Folhas
Operação desmantela rede que traficava cocaína para Rússia


Uma investigação secreta conjunta entre Argentina e Rússia permitiu apreender 389 quilos de cocaína, avaliados em 50 milhões de euros, escondidos em 16 malas em um anexo da embaixada russa em Buenos Aires, informou o governo argentino nesta quinta-feira (22).

Trata-se de uma facção narcocriminosa que estava tentado usar o correio diplomático da embaixada russa para levar a droga à Europa, explicou em coletiva de imprensa a ministra da Segurança, Patricia Bullrich.

Cinco pessoas foram detidas - duas na Argentina e três na Rússia - ao fim da investigação que durou mais de um ano.

Segundo a ministra, trata-se de uma das operações mais complexas, extravagantes e profissionais que a Argentina já teve em questão de tráfico de drogas.

A droga foi encontrada em um anexo da legação diplomática após a investigação gerada pela denúncia do embaixador russo na Argentina, Viktor Koronelli.

Segundo o relato de Bullrich, em 13 de dezembro de 2016 o embaixador Koronelli ligou para ela e logo depois se apresentou pessoalmente com três membros do Serviço de Segurança russo para comunicar suas suspeitas.

A investigação teve início quando o juiz Julián Ercolini emitiu a ordem.

O embaixador nos entregou uma chave para entrarem pela lateral. Tiraram as malas às 03h00, mas tinham que colocá-las de volta antes das 06h00, quando chegava a equipe de ordenança do local, contou Bullrich.

Às 03h00 tivemos que mandar a equipe da Gendarmeria para comprar farinha no mercado central porque ninguém tinha 389 quilos de farinha em depósito, continuou.

Os pacotes de cocaína foram substituídos por outros idênticos com farinha e as malas eram monitoradas 24 horas.

Depois que os traficantes tentaram diferentes rotas de navegação que não deram certo, em dezembro de 2017 as malas partiram em um avião oficial para a Rússia no compartimento de bagagem diplomática, como parte da mudança de Ali Abyanov, ex-funcionário da embaixada e um dos os detidos.

Na chegada a Moscou, as malas foram colocadas no Ministério do Interior até que duas pessoas, Ishtimir Khudzhmov e Vladimir Kalmykov, apareceram para pegá-las e foram detidas.

Esta carga representa cerca de 50 milhões de euros, avaliada no mercado de vendas de cocaína na Rússia, afirmou.

Os detidos na Argentina são dois, Ivan Blizniouk e Alexander Chikalo, o primeiro deles argentino nacionalizado na Rússia e desde 2013 membro da Polícia de Buenos Aires, disse Bullrich.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212