Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tesouro cobra taxa anual e perde encanto com juros baixos - Jornal Brasil em Folhas
Tesouro cobra taxa anual e perde encanto com juros baixos


SÃO PAULO - Um terço das 61 corretoras autorizadas a operar com o Tesouro Direto afirmam que cobram “taxa zero” para aplicações em títulos públicos. O que talvez você não saiba é que apesar destas instituições terem aberto mão da receita com a taxa, a CBLC, instituição que faz a custódia dos ativos do Tesouro Direto, cobra 0,3% ao ano de todo investidor – e disso não há como fugir.

Portanto, ainda que você tenha conta em uma corretora “sem taxa”, a cobrança da CBLC tem um impacto bem grande no seu rendimento final. Para se ter ideia, no ano passado, quando a Selic estava em 14,25% ao ano, uma aplicação no Tesouro Selic rendia perto de 98% do CDI, já descontada a taxa da CBLC. Atualmente, com juros a 6,75% a.a, o mesmo título paga cerca 95% do CDI após o abatimento dos 0,3% de taxa. Isso sem contar que existem outras 40 corretoras que ainda embolsam uma taxa a mais do cliente - o Itaú e o Bradesco, por exemplo, cobram 0,5% ao ano, enquanto o Santander e a Caixa ficam com 0,4% do investimento dos clientes do Tesouro Direto anualmente.

Agora pense que em vez de receber 95% do CDI investindo no Tesouro Selic em uma corretora com “taxa zero”, você poderia aplicar no fundo Porto Seguro FI Referenciado DI Crédito Privado e receber bem mais de 100% do CDI ao longo de 2018 - a rentabilidade deste fundo em 2017 foi de 103,1% do CDI.

Outro fundo DI que tem rentabilidade histórica acima do referencial e que entra como opção muito mais vantajosa do que o Tesouro Direto é o BTG Pactual Yield DI FI Referenciado Credito Privado, que ano passado rendeu 103% do CDI. É importante ressaltar que esses fundos mantêm um histórico de rentabilidade de anos acima de 100% do CDI, o que dá tranquilidade ao investidor para entender que este retorno se manterá nos mesmos níveis em 2018. O desempenho dos dois fundos foi retirado da plataforma da XP Investimentos, onde ambos estão disponíveis para aplicação.

Para você ter noção da diferença que esses percentuais vão fazer no seu bolso, quem investir R$ 100 mil no Tesouro Selic hoje deve retirar daqui a um ano R$ 105.100 (considerando a Selic estável em 6,75% em 2018) e já descontado o Imposto de Renda. Já o investidor que optar pelo fundo DI da Porto Seguro pode receber perto de R$ 105.570, quase R$ 500 a maias.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212