Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Prefeitura de BH fecha ano com déficit de R$ 310 milhões - Jornal Brasil em Folhas
Prefeitura de BH fecha ano com déficit de R$ 310 milhões


Os secretários municipais de Fazenda, Fuad Noman e de Planejamento, Orçamento e Gestão, André Reis anunciaram nessa sexta-feira (23) que as contas da prefeitura da capital apresentaram déficit de R$ 319 milhões em 2017, atribuído “ao fraco desempenho da economia e quitação de dívidas antigas”. A arrecadação total foi de R$ 9,7 bilhões contra R$ 10,8 bilhões em 2016, queda de 5,2%. Os números, segundo André Reis, são um alerta para o próximo exercício, “inspirando a necessidade de condução cuidadosa das contas municipais em 2018”.

Além da instabilidade econômica, segundo os secretários, no ano passado a prefeitura não contou com algumas receitas extraordinárias que entraram nos caixas de 2016. Fuad citou como exemplo a venda da exclusividade da gestão da folha de pagamentos dos servidores para uma instituição financeira privada, o que gerou recursos da ordem de R$ 130 milhões; acordo com o Tribunal Justiça resultando no recebimento de R$ 400 milhões em depósitos judiciais e negociações com o Tesouro Nacional, que reforçaram o caixa em mais de R$ 200 milhões. Em 2016 a prefeitura tinha deficit estimado em R$1,2 bilhão.

Também influenciaram os números negativos a queda de repasses de outros entes da federação. Somente do Sistema Único de Saúde (SUS) foi de 4,8%. As despesas com pessoal saltaram de 41,14% para 45,41% da receita líquida, (6,38%) e o custeio (manutenção dos serviços e dos equipamentos públicos) subiu 15,49%. As despesas com a saúde cresceram 15,28%, com o Fundo da Assistência 13,767% e com a educação 7,71%.

ARRECADAÇÃO Fuad Noman apontou três fontes para melhorar a arrecadação em 2018: evitar a sonegação, cobrar dos inadimplentes (que somados chegam a números acima de 500 mil contratos) e a execução de novo mapeamento da cidade, por via aérea, para identificar imóveis com registros de metragens diferentes do cadastro. “Foram mais de 120 mil imóveis em situação irregular que foram reajustadas as metragens. Isso é justiça fiscal.” Quanto às obras, serão possíveis por financiamentos internacionais. “Já conseguimos Caixa (Econômica Federal) e vamos atrás do Banco Mundial e o BID em busca de recursos para obras.”

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212