Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Ministro nega pedido de novo cálculo para repasses do FPE ao Estado do Maranhão - Jornal Brasil em Folhas
Ministro nega pedido de novo cálculo para repasses do FPE ao Estado do Maranhão


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), julgou improcedente pedido do Estado de Maranhão para que a União recalculasse os repasses referentes ao período de março a dezembro de 1999 do Fundo de Participação dos Estados (FPE). Segundo o estado, a aplicação do índice máximo de 5,6% relativo ao Fundo Social de Emergência (FSE), posteriormente denominado Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), da base de cálculo dos repasses de Imposto de Renda, teria causado prejuízo superior a R$ 30 milhões ao estado, na medida em que não teriam sido consideradas as modificações da legislação do Imposto de Renda, após a edição das Leis 8.848/1994 e 8.846/1994.

A decisão se deu na Ação Cível Originária (ACO) 713, na qual o Município de São Luís foi admitido como assistente do estado, diante do interesse jurídico e com anuência das partes. O município ingressou com ação ordinária contra a União, que tramita na 2ª Vara Federal de Brasília (DF), na qual pede complementação de repasses supostamente efetuados a menor pela União, a título de Fundo de Participação de Municípios (FPM), em decorrência de supostos equívocos cometidos nos cálculos mensais das verbas a que tem direito, em decorrência da disposição contida no artigo 159, inciso I, alínea b da Constituição Federal. Dentre as postulações desta demanda judicial contra a União encontra-se a que é buscada pelo Estado do Maranhão nesta ACO.

De acordo com o ministro Gilmar Mendes, no intuito de criar fundo de estruturação fiscal e, ao mesmo tempo, evitar que os estados fossem atingidos pela perda de receita (via FPE), a União resolveu promover alterações na legislação do IR, aumentando a receita deste tributo: estipulou que a repercussão econômica máxima do que seria destinado ao fundo seria de 5,6%, o que seria condizente com a estimativa de ganho de receita total advinda da alteração na legislação federal infraconstitucional relativa àquele imposto.

No caso dos autos, segundo observou o relator, o Estado do Maranhão alega que a União sempre aplicou o percentual no seu máximo, sem analisar a repercussão real do incremento de receita do IR com a aplicação das inovações trazidas pelas duas leis de 1994 e seus alterações posteriores. A União, por sua vez, defende que sempre aplicou o limitador no seu percentual máximo (5,6%), tendo em vista que o aumento da arrecadação tributária superou esse patamar, atraindo, portanto, o teto previsto no parágrafo 5º do artigo 72 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT).

“Analisando detidamente os autos, concluo que, diante do que era faticamente possível à época e da circunstância de ser impraticável, atualmente, avaliar o impacto isolado de aumento da arrecadação produzido pelas Leis 8.848 e 8.849, ambas de 1994 e suas alterações posteriores, não houve ilegalidade na dedução do percentual máximo previsto em lei, disposto no parágrafo 5º do artigo 72 do ADCT (5,6%)”, afirmou o ministro Gilmar Mendes. Para o ministro, a União calculou a repercussão financeira que era “possível técnica e operacionalmente”, já que não havia condições de separar apenas o aumento de receita tributária advindo das Leis 8.848/94 e 8.849/94, de sorte que, no contexto global, a evolução da arrecadação – sempre superior a 5,6% – justificou a aplicação do percentual máximo contido no ADCT.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212