Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ministro nega pedido de novo cálculo para repasses do FPE ao Estado do Maranhão - Jornal Brasil em Folhas
Ministro nega pedido de novo cálculo para repasses do FPE ao Estado do Maranhão


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), julgou improcedente pedido do Estado de Maranhão para que a União recalculasse os repasses referentes ao período de março a dezembro de 1999 do Fundo de Participação dos Estados (FPE). Segundo o estado, a aplicação do índice máximo de 5,6% relativo ao Fundo Social de Emergência (FSE), posteriormente denominado Fundo de Estabilização Fiscal (FEF), da base de cálculo dos repasses de Imposto de Renda, teria causado prejuízo superior a R$ 30 milhões ao estado, na medida em que não teriam sido consideradas as modificações da legislação do Imposto de Renda, após a edição das Leis 8.848/1994 e 8.846/1994.

A decisão se deu na Ação Cível Originária (ACO) 713, na qual o Município de São Luís foi admitido como assistente do estado, diante do interesse jurídico e com anuência das partes. O município ingressou com ação ordinária contra a União, que tramita na 2ª Vara Federal de Brasília (DF), na qual pede complementação de repasses supostamente efetuados a menor pela União, a título de Fundo de Participação de Municípios (FPM), em decorrência de supostos equívocos cometidos nos cálculos mensais das verbas a que tem direito, em decorrência da disposição contida no artigo 159, inciso I, alínea b da Constituição Federal. Dentre as postulações desta demanda judicial contra a União encontra-se a que é buscada pelo Estado do Maranhão nesta ACO.

De acordo com o ministro Gilmar Mendes, no intuito de criar fundo de estruturação fiscal e, ao mesmo tempo, evitar que os estados fossem atingidos pela perda de receita (via FPE), a União resolveu promover alterações na legislação do IR, aumentando a receita deste tributo: estipulou que a repercussão econômica máxima do que seria destinado ao fundo seria de 5,6%, o que seria condizente com a estimativa de ganho de receita total advinda da alteração na legislação federal infraconstitucional relativa àquele imposto.

No caso dos autos, segundo observou o relator, o Estado do Maranhão alega que a União sempre aplicou o percentual no seu máximo, sem analisar a repercussão real do incremento de receita do IR com a aplicação das inovações trazidas pelas duas leis de 1994 e seus alterações posteriores. A União, por sua vez, defende que sempre aplicou o limitador no seu percentual máximo (5,6%), tendo em vista que o aumento da arrecadação tributária superou esse patamar, atraindo, portanto, o teto previsto no parágrafo 5º do artigo 72 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT).

“Analisando detidamente os autos, concluo que, diante do que era faticamente possível à época e da circunstância de ser impraticável, atualmente, avaliar o impacto isolado de aumento da arrecadação produzido pelas Leis 8.848 e 8.849, ambas de 1994 e suas alterações posteriores, não houve ilegalidade na dedução do percentual máximo previsto em lei, disposto no parágrafo 5º do artigo 72 do ADCT (5,6%)”, afirmou o ministro Gilmar Mendes. Para o ministro, a União calculou a repercussão financeira que era “possível técnica e operacionalmente”, já que não havia condições de separar apenas o aumento de receita tributária advindo das Leis 8.848/94 e 8.849/94, de sorte que, no contexto global, a evolução da arrecadação – sempre superior a 5,6% – justificou a aplicação do percentual máximo contido no ADCT.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212