Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ministro nega HC a italiano condenado no Brasil que pedia para aguardar extradição em liberdade - Jornal Brasil em Folhas
Ministro nega HC a italiano condenado no Brasil que pedia para aguardar extradição em liberdade


O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o Habeas Corpus (HC) 136443, impetrado em favor do cidadão italiano Massimiliano Tosoni, que buscava aguardar em liberdade sua entrega à República Italiana, onde foi condenado a 12 anos e 6 meses de prisão pelos crimes de roubo a mão armada e tráfico de drogas.

A extradição de Tosoni foi autorizada pelo STF em fevereiro de 2015 e, desde então, segundo narra sua defesa, ele se encontra preso preventivamente à espera do ato do presidente da República formalizando sua entrega às autoridades de seu país. No habeas corpus, sua defesa pedia a revogação do decreto prisional para que ele pudesse aguardar a efetivação da extradição em liberdade ou que fosse determinada a utilização de tornozeleira eletrônica.

Conforme informações prestadas pelo Ministério das Relações Exteriores e pela Presidência da República nos autos, o italiano tem pendências com a Justiça brasileira, uma vez que foi condenado à pena de 31 anos e 3 meses de reclusão, em regime inicial fechado, pelo crime de latrocínio, e também responde pelo crime de tentativa de furto perante o juízo da 14ª Vara Criminal de Fortaleza (CE). Em parecer, a Procuradoria-Geral da República se manifestou pela negativa do pedido.

Em sua decisão, ministro explicou que não há qualquer ato praticado pelo presidente da República que configure ilegalidade flagrante ou abuso de poder. Isso porque, segundo Lewandowski, o entendimento firmado pelo Plenário do STF, no julgamento do HC 85893, é no sentido de que, enquanto o extraditando responder a processo criminal no Brasil, o presidente da República tem discricionariedade, não limitada no tempo, para decidir sobre a efetivação da extradição já deferida pelo Supremo, em razão de conveniência do interesse nacional.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212