Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tribunal valida votação de italianos no Brasil - Jornal Brasil em Folhas
Tribunal valida votação de italianos no Brasil


MADRI, ESPANHA. O Tribunal Constitucional da Itália rejeitou nessa quinta-feira (22) pedido para impedir que os 4,3 milhões de italianos que vivem no exterior – incluindo os 400 mil residentes no Brasil – participem das eleições legislativas de 4 de março. Com isso, continua válido o voto por correio, que precisa chegar ao consulado até as 16h do dia 1° de março.

A ação analisada começou no Tribunal de Veneza e contestava a legitimidade do voto feito no exterior. Como as cédulas são enviadas pelos eleitores por correio, em um processo frequentemente criticado, o conselheiro regional Antonio Guadagnini alegou ser impossível provar que o voto é secreto e pessoal.O Tribunal Constitucional, no entanto, decidiu que a questão levantada por ele é inadmissível, segundo a agência de notícias italiana Ansa. O governo defende a legitimidade do voto a distância.

Italianos podem votar no exterior amparados pela chamada Lei Tremaglia, datada de 2001. Os cidadãos cadastrados em suas circunscrições eleitorais recebem as cédulas por correio e depois as enviam de volta aos consulados.

Segundo a lei italiana, os cidadãos no exterior elegem legisladores para suas circunscrições. Por exemplo, um brasileiro com cidadania italiana inscrito no consulado de São Paulo vota para a região da América do Sul, onde são eleitos quatro deputados e dois senadores.

Dos quase 90 candidatos nessa circunscrição, ao menos 16 nasceram no Brasil. Mas, eleitos, esses legisladores não representarão apenas sua região e terão as mesmas obrigações dos demais.

A Itália é a quarta economia europeia, e, por lá, o voto é opcional. Há uma distinção entre a idade mínima para participar do pleito: é necessário ter ao menos 18 anos para votar à Câmara e 25 anos para votar ao Senado. Já no Brasil, onde o voto é obrigatório, cidadãos residindo no exterior votam pessoalmente nas seções eleitorais correspondentes, por exemplo, em embaixadas ou consulados. Não existe o voto por correio.

Dos 16 candidatos que nasceram no Brasil, há representantes de diversas forças políticas, como o governista Partido Democrático, de centro-esquerda, e a Liga Norte, de direita ultranacionalista. Outros dos movimentos surgiram especificamente na América Latina, com foco nessa região. Com o avanço do populismo de direita em outros países europeus, em especial França e Alemanha, o pleito italiano preocupa o restante do continente.

Preocupação. Os planos da empresa brasileira Embraco de transferir uma fábrica da Itália para a Eslováquia preocupam os italianos, que vão às urnas com um desemprego de 11%.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212