Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Temer quer criar imposto para bancar segurança - Jornal Brasil em Folhas
Temer quer criar imposto para bancar segurança


RIO DE JANEIRO. O presidente Michel Temer apresentou, em conversas nos últimos dias, uma proposta de criação de um imposto para custear gastos com segurança pública no Brasil. A informação foi divulgada nessa quarta-feira (21) pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Maia classificou a medida como “inviável”. “Porque, por lei, tem que ser (valer) para o próximo ano e, por emenda constitucional não pode por causa do decreto (que autorizou intervenção federal na segurança do Estado do Rio)”, disse.

A conversa entre os dois ocorreu no sábado, no Palácio Guanabara, no Rio. “O governo que corte ministérios e reduza despesas públicas. Querem dinheiro para financiar o caos na segurança pública, mas não sabem o que fazer. Eles têm, por exemplo, dentro do IOF espaço para mexer em alíquota. Só estou dando um exemplo. Porque não é no Congresso que eles vão resolver isso, é uma decisão do Executivo”, afirmou Maia.

Nessa quarta-feira (21) o Tribunal de Contas da União (TCU) decidiu abrir processo para fiscalizar aspectos legais e financeiros da intervenção decretada pelo governo federal na segurança pública do Rio de Janeiro. O objetivo, segundo a corte, é evitar que se “ignorem as regras constitucionais relacionadas às contas públicas, especialmente quanto ao cumprimento das metas fiscais e das regras de gestão fiscal responsável”.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, por sua vez, afirmou nessa quarta-feira (21) que o governo trabalha para garantir novo empréstimo ao Estado do Rio de Janeiro de cerca de R$ 1 bilhão, vindos dos royalties do petróleo.

Meirelles deixou claro que ainda não há um pedido oficial dos recursos e que essa solicitação tem de vir das Forças Armadas, que é quem está no comando da segurança do Rio no momento. O ministro garantiu que há verbas disponíveis no Orçamento para as ações das Forças Armadas.

O Rio de Janeiro passa por uma grave crise política e econômica, com reflexos diretos na segurança pública. Desde junho de 2016, o Estado está em situação de calamidade pública e conta com o auxílio das Forças Armadas desde setembro do ano passado. Não há recursos para pagar servidores e para contratar PMs aprovados em concurso.

Direitos humanos

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado criou, nessa quarta-feira (21), uma subcomissão para acompanhar a intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro. Os senadores Romário (PODE-RJ), Paulo Paim (PT-RS) e Telmário Mota (PTB-RR) fazem parte do grupo. A presidente do colegiado, Regina Sousa (PT-PI), disse que o objetivo é acompanhar a situação do Rio enquanto durar a intervenção e fiscalizar eventuais violações dos direitos humanos contra a população. O requerimento de criação da subcomissão foi de autoria da própria presidente da CDH.

Reforço nos Estados

Depois de Minas Gerais, os Estados de São Paulo e do Espírito Santo começam a organizar ações de combate ao crime organizado após a intervenção federal no Rio de Janeiro. Em São Paulo, o secretário de Segurança Pública, Mágino Alves, diz que o plano é intensificar os trabalhos de inteligência entre os Estados que fazem divisa com o Rio. O secretário de Estado da Segurança Pública do Espírito Santo, André Garcia, garantiu que as polícias Militar, Civil e Rodoviária Federal vão monitorar 198 km nas divisas com o Rio e Minas. Nesta quinta-feira (22) está marcada reunião dos secretários dos três Estados com o ministro da Justiça, Torquato Jardim.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212