Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Senado aprova intervenção federal na segurança do Rio - Jornal Brasil em Folhas
Senado aprova intervenção federal na segurança do Rio


Brasília. O Senado aprovou no fim da noite de terça-feira (20), por 55 votos a 13 (1 abstenção e o presidente da Casa não vota), o decreto que autoriza intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro. O decreto vai agora para publicação no “Diário Oficial da União”. A intervenção federal foi assinada pelo presidente Michel Temer na última sexta-feira. A medida passou a vigorar imediatamente, mas, para continuar valendo, precisava do aval da Câmara e do Senado. O tema foi aprovado pela Câmara na madrugada de terça-feira por 340 votos a 72.

O decreto estabelece que a intervenção durará até 31 de dezembro deste ano. Enquanto vigorar a medida, o general de Exército Walter Souza Braga Netto, do Comando Militar do Leste, será o interventor no Estado e terá o comando da Secretaria de Segurança Pública, das polícias Civil e Militar, do Corpo de Bombeiros e do sistema carcerário fluminense.

Segundo o decreto, o objetivo da intervenção é tratar do “grave comprometimento da ordem pública” no Rio. A medida foi tomada após Carnaval, período em que a capital do Estado registrou vários episódios de violência.

Pelo texto, o interventor está subordinado ao presidente da República e não está sujeito a regras estaduais que entrem em conflito com o objetivo da intervenção.

O general Braga Netto pode, se necessário, solicitar recursos financeiros, tecnológicos, estruturais e humanos do Rio para restabelecer a ordem pública. Ele também poderá, segundo o decreto, requisitar a órgãos civis e militares da administração pública federal meios necessários ao sucesso da intervenção.

O decreto preserva, sob a responsabilidade do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), as atribuições sem relação com a área de segurança pública.

Apoio. O general Walter Souza Braga Netto, nomeado pelo governo federal interventor na área de segurança no Rio de Janeiro, afirmou em nota, na terça-feira, que o processo de intervenção demandará sacrifício e colaboração da sociedade. As informações são do portal Uol. A nota diz ainda que a composição de sua equipe será anunciada em breve.

“O interventor destaca a necessidade da participação da sociedade fluminense nesse esforço conjunto”, afirma nota divulgada pelo Comando Militar do Leste, do Exército. “O processo demandará, de todos e de cada um, alguma parcela de sacrifício e de colaboração, em nome da paz social e da sensação de segurança almejadas”, diz.

A nota do Exército lembra que a intervenção está em fase inicial e afirma que “a equipe que trabalhará diretamente com o interventor está sendo formada e será anunciada nos próximos dias”.

Nos bastidores do governo do Rio, há uma expectativa sobre quais eventuais mudanças o interventor pode fazer nos comandos das forças de segurança. Militares próximos ao general Braga Netto afirmaram que ele tem um perfil conciliador e deve ser criterioso ao determinar mudanças – para não perder o apoio das polícias. A nota diz que os órgãos de segurança pública estadual seguem funcionando normalmente. “A intervenção tem caráter colaborativo”, diz o texto.
Mandados coletivos serão ‘caso a caso’, dizem ministros ao TJ-RJ

Rio de Janeiro. Ministros do governo Michel Temer acertaram na terça-feira, com a cúpula do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ), que os mandados de busca e apreensão coletivos, defendidos por militares envolvidos na intervenção federal de segurança no Estado, serão analisados caso a caso e não serão feitos como uma medida indiscriminada ou “genérica”.

O uso de mandados coletivos foi defendido na segunda-feira pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, e recebeu críticas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O ministro da Justiça, Torquato Jardim, a advogada geral da União, Grace Mendonça, e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Sérgio Etchegoyen, reuniram-se no fim da manhã desta terça com o presidente do TJ-RJ, desembargador Milton Fernandes de Souza. Eles garantiram que as operações vão respeitar a Constituição e os direitos fundamentais. O objetivo, de acordo com um dos ministros presentes, “não era discutir se vale ou não vale mandado coletivo, mas sobre como preservar direitos e garantias nesta nova realidade ditada pelo crime organizado”. De acordo com a administração federal, não houve recuo de decisão.

O Planalto entende que os mandados coletivos para busca e apreensão são necessários para as operações e eles serão apresentados à Justiça a cada nova investida contra o crime, se este for o caminho da ação a ser deflagrada. O fato de ser caso a caso, afirmou a fonte, “é óbvio, por ser um princípio jurídico”. Torquato Jardim explicou que “serão assegurados todos os direitos e garantias fundamentais postos na Carta republicana”.

Torquato, porém, não descartou por completo que as operações policiais sejam baseadas em pedidos de busca e apreensão contra alvos em grupo, identificados por nomes ou apelidos. Ele disse que o local das buscas poderá ter a indicação aproximada ou imaginada dos suspeitos, como uma localização geográfica num determinado “perímetro”, por causa da configuração urbanística das favelas.

MPF vê texto com vícios

O Ministério Público Federal (MPF) divulgou nota técnica em tom crítico ao decreto assinado pelo presidente Michel Temer (MDB) que determinou a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro. No documento emitido pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, é mencionada a existência de vícios no texto do Executivo. A instituição afirma que, se esses pontos não forem resolvidos, podem representar graves violações à ordem constitucional e, sobretudo, aos direitos humanos. O MPF diz ainda ter decidido divulgar a nota após o ministro da Defesa, Raul Jungmann, dizer que poderia usar mandados coletivos.

Operação em favela

Militares do Exército, da Marinha, do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e policiais civis realizaram na terça-feira um cerco à favela Kelson’s, na Penha, na zona Norte do Rio. Onze suspeitos foram presos. As entradas da comunidade foram ocupadas pelos militares do Exército. Moradores foram submetidos a revista antes de deixarem a favela, que é vizinha do Centro de Instrução Almirante Alexandrino, da Marinha. O quartel – o maior centro de formação de praças – é separado da comunidade dominada pelo Comando Vermelho por apenas um muro. No dia 24 de janeiro, dois tiros de fuzil disparados da comunidade atingiram o ambulatório naval do quartel.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212