Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Com intervenção no Rio, PM de Minas reforça fiscalização - Jornal Brasil em Folhas
Com intervenção no Rio, PM de Minas reforça fiscalização


A Polícia Militar (PM) de Minas Gerais reforça, desde o último sábado, o policiamento e o monitoramento na divisa com o Rio de Janeiro para impedir a migração de criminosos para o Estado. “Nós não permitiremos a migração da criminalidade do Rio para nosso Estado”, garantiu o comandante geral da PM de Minas, coronel Helbert Figueiró. Segundo ele, o reforço da polícia na divisa com o Rio de Janeiro ocorre em caráter preventivo. As tropas dos comandos regionais estão adotando as medidas de reforço e monitoramento. Se for necessário, tropas especializadas serão deslocadas da capital.

O comandante confirmou a reunião dos secretários de Segurança de Minas, Rio de Janeiro, Espírito Santo e São Paulo com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, na quinta-feira, dia 22, na capital paulista. “Conversei com o secretário de Segurança de Minas, Sérgio Menezes, no fim de semana, e o pedido que eu fiz a ele é que coloque lá, nesta reunião, como pleito de Minas Gerais, que a intervenção do Exército no Rio de Janeiro tenha como escopo também cuidar da saída da marginalidade dos outros Estados, e não focar só na capital do Rio de Janeiro”, disse.

O anúncio foi feito durante reunião de rotina do comando da PM, com a presença do governador Fernando Pimentel (PT), na segunda-feira (19), na Cidade Administrativa.

Em nota divulgada na segunda-feira, a Polícia Civil de Minas Gerais informou que “têm sido considerados planos integrados de inteligência entre os três Estados” vizinhos. O objetivo, diz a nota, é prevenir a difusão do crime organizado pelo Sudeste, viabilizar o intercâmbio de informações entre as polícias e facilitar a realização de operações interestaduais. Uma nova reunião deverá ocorrer nos próximos dias, no Rio, com a participação do delegado-chefe de polícia do Estado.

Exército nas ruas do Rio. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Rio, mais de 3.000 integrantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, com policiais civis e militares, homens da Força Nacional de Segurança e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), montaram pontos de bloqueio e fiscalização nas vias de acesso ao Rio.

A ação, de acordo com a secretaria, ocorre ainda no âmbito da Garantia da Lei e da Ordem (GLO) e tem como objetivo montar barreiras nas divisas do Estado. A operação é a primeira desde que o presidente Michel Temer anunciou a intervenção federal na segurança do Rio, na última sexta-feira.

No fim da tarde de segunda-feira, dezenas de caminhões, tanques e veículos blindados do Exército deixaram diversos batalhões em Deodoro, na zona Oeste do Rio. Em um comboio de cerca de 1 km, centenas de militares, muitos deles com rostos cobertos por balaclavas, ocuparam as entradas do complexo do Chapadão, na zona Norte, uma das regiões mais violentas da capital.

BRASÍLIA. O governo federal recuou do anúncio que havia feito no final da manhã de segunda-feira e informou no início da noite que não haverá mandado coletivo de prisão na intervenção federal do Rio de Janeiro.

“Me referia anteriormente a mandado coletivo de captura. Na verdade, o mandado coletivo é de busca e apreensão. Esse mandado de busca e apreensão é feito pelas polícias, não é feito pelas Forças Armadas e só é feito a partir de uma ordem judicial e acompanhado pelo Ministério Público”, disse o ministro da Defesa, Raul Jungmann, após reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Mais cedo, Jungmann havia dito que “você precisa ter o mandado de busca e apreensão e captura coletiva”. O ministro justificou os mandados de busca e apreensão coletivos sob o argumento de que, em algumas ocasiões, o serviço de inteligência da polícia não consegue identificar a localização exata do crime.

O ministro da Defesa também procurou explicar que a intervenção federal não se trata de uma intervenção militar e que a confusão acontece porque o general Braga Netto ocupa tanto a cadeira de interventor como a de comandante militar do Leste.

Segundo Jungmann, os militares estão nas ruas do Rio por causa da Garantia da Lei e da Ordem (GLO), em vigor desde o ano passado. A intervenção, de acordo com o ministro, é político-administrativa.

Poder de polícia

Relatora do decreto de intervenção federal no Rio, a deputada Laura Carneiro (MDB-RJ) vai propor ao presidente Michel Temer que os militares que atuem no Estado tenham poder de polícia. A medida é uma tentativa de evitar um limbo jurídico que permitiria, em tese, que estes militares sejam julgados pela Justiça comum e não pela Justiça Militar, caso cometam alguma irregularidade durante ações militares. Ela também quer que o governo garanta recursos para as ações policiais e para a assistência social neste ano.

Manual contra abuso

A notícia da intervenção na segurança do Rio preocupa moradores de favelas. Eles temem condutas abusivas por parte dos militares das Forças Armadas e da polícia, como revistas indiscriminadas e invasão a domicílios. Num vídeo que viralizou no Facebook, três jovens negros recomendam que seus pares, rotineiramente vítimas de racismo por parte das forças de segurança, circulem sempre com a nota fiscal do celular, para provarem que não se trata de produto roubado, e evitem usar guarda-chuvas e furadeiras que possam ser confundidos com armas de fogo.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212