Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 MST volta a invadir fazenda de mil hectares - Jornal Brasil em Folhas
MST volta a invadir fazenda de mil hectares


Militantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) voltaram a ocupar a fazenda Chapecozinho II, neste sábado (17), no município de Xanxerê, oeste de Santa Catarina. A área, de 1.086 hectares, já havia sido invadida em 2016 e transformada em acampamento, mas os sem-terra foram despejados numa ação da Polícia Militar em novembro de 2017. O MST alega que a propriedade já foi adquirida pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), mas há demora na destinação para assentamento.

De acordo com a Polícia Militar de Xanxerê, cerca de 250 integrantes do MST se instalaram na fazenda e iniciaram a montagem de barracos. Advogados da família Prezzotto, dona da área, devem entrar nesta segunda-feira (19) com pedido de reintegração de posse na justiça.

A PM aguarda determinação judicial para realizar nova operação de reintegração de posse, caso seja autorizada. O MST alega que o despejo anterior foi realizado de forma violenta e sem levar em conta que os acampados tinham 200 hectares de lavouras plantadas na área. A produção foi perdida.

O MST informou que o acampamento Marcelino Chiarello, atingido pelo despejo anterior, volta a ser instalado na área. Conforme o movimento, o Ministério Público Federal (MPF) foi acionado para que seja verificada a situação das terras.

As famílias retomam a área em tom de denúncia, pois o Estado foi ágil para usar da violência e despejar as famílias, mas moroso para dar andamento à definição de áreas para a reforma agrária, informou, em nota

A Superintendência Regional do Incra em Santa Catarina informou que a Fazenda Chapecozinho II, em Xanxerê, foi desapropriada pela União em 1982 e, no processo de regularização fundiária, foi repassado a cinco produtores rurais da família Prezzotto.

Como o pagamento pela área não foi efetuado integralmente, o Incra solicitou em 2016 o cancelamento dos títulos de domínio. O processo administrativo ainda está em trâmite, na sede do Incra, em Brasília, mas é contestado pelo família Prezzotto.

 

Últimas Notícias

Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira
Doria regulamenta lei que proíbe máscaras em protestos em São Paulo
Provável exaustão térmica mata militar no Rio
Fiéis vão às ruas para homenagear São Sebastião, padroeiro do Rio

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212