Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Meirelles diz que pode haver aumento brutal de impostos - Jornal Brasil em Folhas
Meirelles diz que pode haver aumento brutal de impostos


BRASÍLIA E SÃO PAULO. Sem a reforma da Previdência, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, prevê um aumento “brutal de impostos” nos próximos anos no país. Sem dizer quando e descartando que isso possa ocorrer ainda em 2018, o ministro diz que a proposta do governo somente foi adiada, não “sepultada”. Após o decreto da intervenção federal no Rio de Janeiro, a reforma da Previdência foi suspensa pelo governo. Para o ministro, essa suspensão não significa “sepultamento” da proposta. “Ela está suspensa até que seja encerrada a intervenção no Rio, que é um assunto prioritário, não poderia ser adiado. Terminando isso, a reforma é pauta número 1”, afirmou o ministro em entrevista nessa quarta-feira (21) a um programa da rádio Bandeirantes.

Mesmo com o “atraso” na votação da proposta, Meirelles disse que “não há previsão de aumento de impostos este ano”. De acordo com ele, “o Orçamento de 2018 está equilibrado”. Entretanto, caso a reforma da Previdência não seja aprovada, a previsão é de “aumentos brutais” de impostos no país. “O déficit vai crescendo a cada ano. Daqui a dez anos, a despesa com as previdências deve chegar a 80% do Orçamento da União. A questão é quando será feita essa reforma”, explicou.

Questionado pelos ouvintes da rádio se defende a volta da CPMF, Meirelles ressaltou que, no momento, não há a necessidade de trazer esse tributo de volta. O ministro falou que o corte de despesas do governo é “forte” e há um controle rígido dos gastos. Ele ressaltou, porém, que grande parte das despesas do Orçamento não é definida pelo governo, pois muitas são rígidas e atreladas à Constituição, como os gastos previdenciários.

Meirelles ressaltou que o déficit da Previdência vai crescendo a cada ano e daqui a dez anos vai ocupar 80% do Orçamento do governo, sobrando pouco para outros gastos, como educação e saúde. Ele ressaltou que, caso nada seja feito, o país pode ficar como a Grécia. “Se não houver reforma, os brasileiros não vão receber suas aposentadorias”, disse. A reforma da Previdência, ressaltou Meirelles, tem efeito em médio prazo e vai garantir que não se elevem impostos no futuro. “Minha ideia é fazer a reforma para não ter de aumentar impostos”, disse ele.

A intervenção no Rio, afirmou o ministro, era “absolutamente necessária”, e relatou que “uma das evidências disso é que crianças, senhoras e jovens vinham sendo alvos de balas perdidas”. Ele afirmou que, se a intervenção durar até dezembro, a reforma da Previdência vai ficar para o próximo governo.

Previsões. O titular da Fazenda ressaltou que o IBC-Br, espécie de prévia do Produto Interno Bruto (PIB) calculada pelo Banco Central, cresceu fortemente em dezembro. Também ressaltou que a inflação está comportada e abaixo da meta e que o índice de preços medido pelo INPC, que mostra as variações para as classes de renda mais baixa, está num dos menores patamares da história. Meirelles ressaltou que o mercado tem revisado para baixo a previsão sobre os preços em 2018 e que inflação zero é algo que nenhum banco central quer.


 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212