Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Empresários e executivos de Minas estão mais otimistas - Jornal Brasil em Folhas
Empresários e executivos de Minas estão mais otimistas


Passado o Carnaval, o ano de fato começa no país, e a expectativa dos empresários de várias áreas de atuação é que os resultados dos negócios em 2018 sejam melhores que os verificados no ano passado. O motivo, segundo eles, é que as variáveis macroeconômicas neste ano estão melhores, com destaque para os juros mais baixos e a redução paulatina do desemprego.

O diretor da indústria Faleiro, Antônio Faleiro Neto, diz que o pior momento da economia nacional ficou para trás. Um dado que reforça o ânimo do empresário do ramo de produtos prontos congelados foi o desempenho de janeiro, que foi superior ao verificado em dezembro do ano passado. “Foi atípico. No geral, o primeiro mês do ano é morto. Nunca vi isso acontecer antes”, conta.

Ele conta que, em 2017, investiu numa fábrica de pão de queijo e, neste ano, um dos objetivos é comercializar o produto em 30% dos clientes ativos, que chegam a cerca de 6.000.

E o empresário não tem do que reclamar, já que a média de crescimento da indústria localizada na capital é de 40% nos últimos cinco anos. Em 2017, a alta no faturamento foi de 36% frente o ano anterior. E, para 2018, a perspectiva é de obter um crescimento da ordem de 44%.

Também no segmento de alimentação, a Forno de Minas, que tem fábrica em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, estima alta de 28% no faturamento neste ano, conforme o presidente da empresa, Hélder Mendonça. “Acreditamos em ligeiras melhoras como inflação baixa, juros mais baixos, melhoria, ainda que pequena, no nível de emprego e, então, a confiança do consumidor”, afirma.

Ele conta que 2017 foi um ano desafiador não só para a Forno de Minas, mas para todas as empresas do setor alimentício em razão da deflação dos alimentos concomitante com os altos custos. No ano passado, segundo Mendonça, a indústria registrou incremento de 11,5% em volume e 19,2% de receita em relação a 2016.

O fundador do grupo mineiro Suggar – que abrange Suggar Minas e Suggar Paraíba, além de Cook Cozinhas & Ambiente e Linha Branca Expresso (de transporte) –, Lúcio Costa, aposta num crescimento dos negócios de 28% a 30% este ano, superando a alta na casa dos 24% de 2017.

Costa demonstra não temer as dificuldades impostas pelas crises. “Em anos de atuação de mercado, passamos por diversas crises, vários planos econômicos. Superamos anos de hiperinflação, o confisco da poupança durante o governo de Fernando Collor de Mello, entre outros empecilhos”, diz.

Previsões de aportes volumosos para 2018

As expectativas para 2018 são boas para o presidente da Usiminas, Sergio Leite. Depois que os acionistas deram uma trégua em quatro anos de desavenças e firmaram um acordo de paz, o CEO vê um futuro de tranquilidade para investimentos. A expectativa é aplicar R$ 500 milhões em 2018, mais do que o dobro dos R$ 216 milhões investidos em 2017. “Ainda não serão grandes projetos, serão mais voltados para modernização e manutenção da capacidade produtiva”, afirma.

Dentre os investimentos, o maior é a reativação do alto-forno de Ipatinga, marcada para abril. “Foram R$ 80 milhões, com a geração de 500 empregos no pico das obras de reforma, além de 120 postos de trabalho que serão gerados quando o equipamento voltar a funcionar”, ressalta.

E a confiança na retomada da economia fez a ArcelorMittal divulgar na última semana um acordo para comprar a parte de siderurgia da brasileira Votorantim. A aquisição foi aprovada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), no último dia 7. O CEO da ArcelorMittal Aços Longos Américas do Sul, Central e Caribe, Jefferson De Paula, diz acreditar na recuperação do mercado de aços longos, depois do recuo verificado de 2013 a 2016. “Segundo dados do Instituto Aço Brasil, deve subir de 7% a 9% em 2018”, diz.

Yuri Chain, diretor comercial da MRV Engenharia para Minas, disse que a empresa tem um projeto de R$ 900 milhões para o Estado.


 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212