Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Fitch rebaixa nota do Brasil após fracasso da reforma da Previdência - Jornal Brasil em Folhas
Fitch rebaixa nota do Brasil após fracasso da reforma da Previdência


A agência de classificação de risco financeiro Fitch reduziu nesta sexta-feira a nota de risco soberano do Brasil, de BB a BB- com perspectiva estável, depois do fracasso das negociações para a reforma da Previdência, considerada essencial para sanar o déficit público.

Esta é a segunda redução de classificação da dívida brasileira recentemente. Em janeiro, a S&P Global Ratings reduziu a nota da dívida brasileira para BB-, citando motivos similares.

A notícia não conseguiu, entretanto, alterar a Bovespa, que fechou com alta de 0,76%, a 87.341,96 pontos, um recorde histórico.

A redução [da nota] do Brasil se deve a seus persistentes e amplos déficits, ao elevado e crescente peso da dívida do governo e ao fracasso para legislar com reformas que melhorem os resultados das finanças públicas, explicou a Fitch em um comunicado.

A agência questiona a viabilidade da reforma, a poucos meses das eleições presidenciais e legislativas de outubro, que ainda não têm nenhum candidato do agrado do mercado.

Esse calendário significa que a reforma da Previdência será abandonada até depois das eleições e há incerteza sobre a capacidade do próximo governo de garantir sua aprovação de forma oportuna, acrescenta.

O Ministério da Fazenda emitiu um comunicado durante a tarde no qual alega que a dívida pública federal brasileira conta atualmente com uma composição saudável, reduzida exposição cambial e baixa concentração de vencimentos no curto prazo.

A nota também destaca que o governo segue comprometido em progredir com a agenda de reformas macro e microeconômicas destinadas a garantir o equilíbrio das contas públicas, crescimento econômico sustentável e contínua melhoria do ambiente de negócios.

O presidente Michel Temer conseguiu impor medidas de ajuste econômico que agradaram os mercados, como o congelamento dos gastos públicos durante 20 anos e a flexibilização da legislação trabalhista.

Contudo, o governo federal não conseguiu alcançar a maioria de votos suficiente para aprovar a reforma da Previdência no Congresso.

- Bolsa não se abala -

A Bovespa chegou a cair 0,5% após o anúncio, mas se recuperou durante a tarde e fechou pela oitava sessão consecutiva em alta. Desde o começo do ano, o Ibovespa se valorizou 14,26%.

A Fitch colocou o Brasil no seleto grupo de países como Bolívia, Seicheles, Geórgia, República Dominicana, Bangladesh e Vietnã, com uma nota BB- que era o rating da Argentina antes do seu colapso em 2001, mas os mercados não pareceram se abalar, ironizou em nota de análise o economista André Perfeito, da Gradual Investimentos.

Muitos analistas acreditam que o mercado já esperava a possibilidade de ter a nota rebaixada, depois da decisão da S&P.

Perfeito estima que isso se deve em parte porque os ativos financeiros brasileiros oscilam antes por conta de motivos externos do que por motivos domésticos, porque O Brasil é visto como um fazendão, por assim dizer, intimamente ligado à exportação e commodities e nossa moeda (é) atrelada ao preço de bens primários.

Além disso, o mercado acredita que algum candidato a presidente viável eleitoralmente poderá dar continuidade às reformas, hipótese essa que acho ingênua dadas as pesquisas recentes de intenção de voto (...), sem contar todos os desafios como o provável colapso da máquina pública no ano que vem, alertou.

A Fitch destaca que o governo cumpriu suas metas de déficit fiscal primário (antes do pagamento de juros da dívida) em 2017 e que o déficit geral do governo representou 8% do PIB nacional. Contudo, em 2018 e 2019 suas previsões apontam para um déficit de pouco mais de 7%, enquanto a média de outros países com nota BB é de 3%.

Já dívida pública do Brasil chegou a 74% do PIB em 2017 e deve alcançar 80% em 2019, enquanto nos países com classificação BB a média é de 45% do PIB, aponta.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212