Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Macron tenta fazer delicada reforma do setor ferroviário francês - Jornal Brasil em Folhas
Macron tenta fazer delicada reforma do setor ferroviário francês


O governo francês de Emmanuel Macron revelou nesta segunda-feira seu plano de reforma da empresa estatal ferroviária, abalada há décadas por uma dívida milionária, que aponta para uma disputa dura com os sindicatos.

A reforma da SNCF, a empresa pública que gere as ferrovias francesas, é uma das tarefas mais delicadas e complexas na agenda do jovem líder liberal. Vários presidentes já tentaram executá-la, mas nenhum conseguiu.

A situação é alarmante, para não dizer insustentável, afirmou o primeiro-ministro, Edouard Philippe, referindo-se à dívida da SNCF, que se aproxima dos 50 bilhões de euros.

Os franceses, quer peguem, ou não, o trem, pagam cada vez mais caro por um serviço que funciona cada vez pior. Chegou o momento de se atrever a lançar uma reforma que os franceses sabem que é necessária, acrescentou Philippe, na apresentação da estratégia do Executivo.

Uma das medidas mais emblemáticas previstas por esta reforma é o fim do atual estatuto trabalhista dos funcionários ferroviários, considerado por alguns como um privilégio, mas por outros como um avanço social.

O estatuto, que abrange 90% dos funcionários da SNCF, garante um emprego vitalício e um regime preferencial de aposentadoria.

O primeiro-ministro anunciou que o estatuto, criado em 1920, não será aplicado a novos funcionários. O pessoal da SNCF terá as mesmas condições de trabalho que os demais franceses, explicou.

Ele descartou, contudo, uma privatização da empresa - uma medida temida pelos sindicatos. A SNCF faz parte do patrimônio dos franceses e continuará sendo, afirmou o primeiro-ministro.

O principal sindicato da SNCF, a CGT, convocou manifestações para o próximo 22 de março, no mesmo dia em que funcionários públicos irão às ruas na França para se manifestar contra a agenda de reformas de Macron.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212