Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Rio cria comitê em defesa dos direitos de pessoas com doenças raras - Jornal Brasil em Folhas
Rio cria comitê em defesa dos direitos de pessoas com doenças raras


A Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Políticas para Mulheres e Idosos (SEDMHI) criou o Comitê Estadual de Defesa dos Direitos Humanos das Pessoas com Doenças Raras do Estado do Rio de Janeiro (CEDDHPDR/RJ). A decisão foi publicada hoje (28) no Diário Oficial, data em que se comemora o Dia Mundial de Doenças Raras.

Segundo o secretário Átila Alexandre Nunes, o objetivo é identificar e mapear instituições e ações de atenção a pessoas com doenças raras no estado, promovendo também capacitações dentro do tema e políticas para essa população.

Uma doença é classificada rara quando acomete apenas uma pessoa a cada duas mil. Nós buscamos, através desse Comitê, dar voz a essa população e conscientizar a sociedade sobre a importância de respeitar os direitos destas pessoas, apontou Nunes.

O CEDDHPDR/RJ foi instituído sem aumento de despesa e será composto por representantes de diversas secretarias do governo do estado, instituições de saúde, organizações não governamentais e de movimentos sociais que trabalham com o tema. Participam ainda membros do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, da Ordem dos Advogados do Brasil e da Defensoria Pública.

Diagnóstico precoce

O médico especialista em genética João Gabriel Daher, que colaborou para a construção da Política Nacional de Atenção aos Pacientes com Doenças Raras, do Ministério da Saúde, chamou a atenção para a importância do diagnóstico precoce. “O diagnóstico precoce é um pilar central nesse grupo de doenças, porque você tem a oportunidade de fazer um suporte e tratar esse paciente com grande êxito”.

O médico lembrou que essas doenças são crônicas, progressivas, degenerativas e, infelizmente, grande parte é fatal. Segunfo ele, 75% dos casos acometem crianças, mas há também doenças de início tardio, que começam por volta da terceira ou quarta década de vida. Apenas 5% das doenças raras são tratáveis. Existem cerca de 7 mil doenças raras diagnosticadas.

Teste do pezinho

Uma das maneiras de diagnosticar as doenças raras é o teste do pezinho. Segundo Daher, na rede pública consegue-se triar até seis doenças com esse teste. Na rede privada, testes disponíveis permitem diagnosticar até mais de 50 doenças. “O teste do pezinho é fundamental para que toda criança realize a partir de 48 horas de vida”.

Daher informou que 80% das doenças raras são de origem genética e, para diagnosticá-las, é importante um exame clínico por um médico especializado. Testes genéticos que fazem análise de cromossomos e genes também são recursos para o diagnóstico de doenças de origem genética.

Política Nacional

A Portaria 199, que instituiu a Política Nacional de Atenção aos Pacientes com Doenças Raras, do Ministério da Saúde, foi publicada em 2014, no entanto, o país possui apenas sete centros públicos de referência credenciados, lamentou o especialista: “é muito pouco para o tamanho do Brasil, com 210 milhões de pessoas”.

Daher defendeu a necessidade de uma reavaliação da estratégia de implementação dos centros de referência e dos serviços especializados, lembrando que são doenças que necessitam de um suporte multidisciplinar para trazer maior qualidade de vida e aumentar a sobrevida dos pacientes, além de dar suporte aos familiares também.

O médico especialista disse que o Brasil tem apenas 200 médicos especializados na área de genética, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um para cada 100 mil habitantes. “Nós temos uma defasagem de mais de 3 mil profissionais”.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212