Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Odebrecht: ex-candidato presidencial tem bens congelados na Guatemala - Jornal Brasil em Folhas
Odebrecht: ex-candidato presidencial tem bens congelados na Guatemala


Cerca de 39 imóveis e 20 veículos do ex-candidato à Presidência da Guatemala, o empresário de direita Manuel Baldizón, foram congelados como parte da investigação contra o político por supostos subornos recebidos da empreiteira Odebrecht, informou a Procuradoria nesta quinta-feira (1).

Baldizón está detido por autoridades migratórias nos Estados Unidos desde janeiro, depois que tentou entrar neste país sem permissão legal, pouco antes de ser vinculado ao caso Odebrecht, empresa assinalada de pagar propinas no país para a construção de uma estrada e a campanha do ex-candidato.

Com base nas investigações sobre o tema conseguimos bloquear os bens atribuídos a Manuel Antonio Baldizón Méndez, que é acusado de associação criminosa, suborno passivo e lavagem de dinheiro no caso conhecido como Odebrecht, disse a jornalistas Yecenia Enríquez, porta-voz do Ministério Público.

Os bens imóveis, entre eles terrenos, casas e edifícios, se encontram nos departamentos de Guatemala (centro), Alta Verapaz e Petén (norte), os quais foram bloqueados enquanto o processo em extinção de domínio continua, a fim de demonstrar a possível origem ilícita dos mesmos, acrescentou.

Segundo as investigações, a Odebrecht pagou 17,9 milhões de dólares em propinas na Guatemala para a construção de uma estrada e para a campanha presidencial do empresário Manuel Baldizón.

Do total de subornos, a Odebrecht entregou entre 2013 e 2014 cerca de nove milhões de dólares ao então ministro de Comunicações Alejandro Sinibaldi, agora foragido, para obter a concessão de reforma e ampliação de uma estrada no sudoeste, que tinha um custo de 300 milhões de dólares.

A obra não foi terminada, mas a Odebrecht recebeu 249 milhões. Entre outros beneficiados pelos subornos destacam-se empresários e advogados, alguns já detidos pelo caso.

A Odebrecht pagou para Baldizón 1,3 milhão de dólares, dos três milhões que foram acordados, a maior parte para sua campanha política de 2015. Baldizón ficou em terceiro lugar nas eleições daquele ano, fora do segundo turno, que foi vencido pelo ex-humorista de televisão Jimmy Morales.

Um juiz do estado da Flórida, onde Baldizón está detido, marcou uma audiência para resolver sua situação em 12 de março.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212