Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Odebrecht: ex-candidato presidencial tem bens congelados na Guatemala - Jornal Brasil em Folhas
Odebrecht: ex-candidato presidencial tem bens congelados na Guatemala


Cerca de 39 imóveis e 20 veículos do ex-candidato à Presidência da Guatemala, o empresário de direita Manuel Baldizón, foram congelados como parte da investigação contra o político por supostos subornos recebidos da empreiteira Odebrecht, informou a Procuradoria nesta quinta-feira (1).

Baldizón está detido por autoridades migratórias nos Estados Unidos desde janeiro, depois que tentou entrar neste país sem permissão legal, pouco antes de ser vinculado ao caso Odebrecht, empresa assinalada de pagar propinas no país para a construção de uma estrada e a campanha do ex-candidato.

Com base nas investigações sobre o tema conseguimos bloquear os bens atribuídos a Manuel Antonio Baldizón Méndez, que é acusado de associação criminosa, suborno passivo e lavagem de dinheiro no caso conhecido como Odebrecht, disse a jornalistas Yecenia Enríquez, porta-voz do Ministério Público.

Os bens imóveis, entre eles terrenos, casas e edifícios, se encontram nos departamentos de Guatemala (centro), Alta Verapaz e Petén (norte), os quais foram bloqueados enquanto o processo em extinção de domínio continua, a fim de demonstrar a possível origem ilícita dos mesmos, acrescentou.

Segundo as investigações, a Odebrecht pagou 17,9 milhões de dólares em propinas na Guatemala para a construção de uma estrada e para a campanha presidencial do empresário Manuel Baldizón.

Do total de subornos, a Odebrecht entregou entre 2013 e 2014 cerca de nove milhões de dólares ao então ministro de Comunicações Alejandro Sinibaldi, agora foragido, para obter a concessão de reforma e ampliação de uma estrada no sudoeste, que tinha um custo de 300 milhões de dólares.

A obra não foi terminada, mas a Odebrecht recebeu 249 milhões. Entre outros beneficiados pelos subornos destacam-se empresários e advogados, alguns já detidos pelo caso.

A Odebrecht pagou para Baldizón 1,3 milhão de dólares, dos três milhões que foram acordados, a maior parte para sua campanha política de 2015. Baldizón ficou em terceiro lugar nas eleições daquele ano, fora do segundo turno, que foi vencido pelo ex-humorista de televisão Jimmy Morales.

Um juiz do estado da Flórida, onde Baldizón está detido, marcou uma audiência para resolver sua situação em 12 de março.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212