Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Instituições da UE fecham acordo sobre trabalhadores deslocados - Jornal Brasil em Folhas
Instituições da UE fecham acordo sobre trabalhadores deslocados


As instituições da União Europeia (UE) alcançaram nesta quinta-feira um consenso sobre a reforma da política de trabalhadores deslocados, que fixa em 12 meses a possibilidade de um europeu trabalhar em outros países do bloco sem a autorização de seu país de origem.

Alcançamos um consenso sobre a diretriz de trabalhadores deslocados, anunciou em coletiva de imprensa a vice-ministra búlgara de Trabalho, Zornitsa Roussinova, cujo país exerce a presidência rotativa do bloco.

Para a relatora da Eurocâmara, Elisabeth Morin-Chartier, é um grande avanço. Tenho grandes esperanças de que, entre maio e junho, tenhamos completado a revisão dessa diretriz, acrescentou a eurodeputada francesa na coletiva.

As negociadoras da Eurocâmara, da Comissão Europeia e do Conselho da UE, que representa os 28 países do bloco, alcançaram este princípio de acordo, em sua opinião, equilibrado.

Segundo a reforma, apresentada em março de 2016 pelo Executivo comunitário, um trabalhador deslocado deve receber a mesma remuneração que um local, tanto o salário mínimo - como já acontecia -, como todos os extras previstos, entre eles o bônus de velhice.

A Eurocâmara cedeu em uma de suas duas reivindicações durante a negociação. Com isso, o tempo máximo para um trabalhador deslocado trabalhar em outro país sem autorização seria de 12 meses, a metade do solicitado pelo Parlamento Europeu e pela Comissão.

A partir do primeiro ano, uma duração defendida pelo governo do presidente francês Emmanuel Macron, as empresas deverão solicitar às autoridades nacionais uma prorrogação de 6 meses para o trabalhador deslocado.

Por fim, o setor do transporte rodoviário, sensível no bloco, ficará de fora da diretriz reformada, submetendo-se ainda à vigente até que entre em vigor uma legislação específica.

Este primeiro entendimento das três instituições europeias abre o caminho para um texto definitivo da reforma, que deve ser aprovado mais adiante.

A partir da aprovação final, os países da UE terão dois anos para transpor a diretriz para suas legislações nacionais, como reclamava a Eurocâmara, e não quatro anos como pediam as capitais europeias.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212