Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Brasil cresce 1% em 2017 e deixa para trás dois anos de recessão - Jornal Brasil em Folhas
Brasil cresce 1% em 2017 e deixa para trás dois anos de recessão


A economia brasileira oficialmente deixou para trás uma das piores recessões de sua história, com uma modesta expansão de 1,0% em 2017 em relação a 2016, e buscará consolidar os avanços em um ano marcado por pressões fiscais e eleições presidenciais especialmente conturbadas.

O resultado está alinhado com a média das previsões de analistas consultados pela agência Bloomberg, que estimavam uma expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,1%.

A safra recorde representou a principal contribuição para o resultado positivo do PIB no ano, explicou Rebeca Palis, coordenadora de contas nacionais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou os dados nesta quinta-feira.

A melhoria foi liderada pelo desempenho do setor agropecuário (+13%) e, em menor medida, pelo de serviços (+0,3%). A indústria, por sua vez, se manteve estável.

A economia brasileira vinha de duas retrações em 2015 e 2016, ambas de -3,5%, num ciclo que combinou recessão, inflação alta e crise política.

Obviamente, a gente ainda não voltou ao patamar exatamente pré-crise do final de 2014. A gente ainda está no patamar do primeiro semestre de 2011, afirmou Palis.

A recuperação começou no primeiro trimestre de 2017, impulsionada pelo setor agropecuário, mas logo deu sinais no consumo das famílias, que aumentou 1% no ano. Já os gastos governamentais caíram 0,6%.

A expansão no último trimestre do ano passado foi de 0,1% ante os três meses anteriores, na medição ajustada, abaixo dos 0,4% previstos por especialistas. Contudo, foi o quarto resultado positivo desta comparação, indicou o relatório.

O IBGE corrigiu para 0,1% o crescimento do terceiro trimestre, contra 0,2% anteriores. Segundo o órgão, o PIB brasileiro totalizou 6,6 trilhões de reais em 2017.

- Bom, mas não tanto -

O presidente Michel Temer comemorou o resultado em sua conta no Twitter Apanhamos o Brasil com uma recessão forte e hoje estamos com índices muito favoráveis, disse.

Com a indicação do PIB, a previsão e que haja praticamente três milhões de novos empregos esse ano, afirmou à rádio Tupi.

O governo prevê para 2018 uma expansão de 3%, enquanto o mercado antecipa 2,8% e a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) é menos otimista: estima que a economia brasileira vai crescer entre 2,2% e 2,4%, segundo seu último relatório sobre o país, publicado nesta quarta-feira.

Outro capítulo fraco de 2017 foram os investimentos, que caíram a 15,6% do PIB, ante 16,1% registrados no ano anterior.

Após a queda de 2015 e 2016, o Brasil conseguiu controlar a inflação e iniciou um ciclo de cortes da taxa de juros para reanimar a atividade, o que levou ao nível atual, de 6,75%.

Mas o país ainda luta contra o alto desemprego, que atinge 12,7 milhões de brasileiros, e um déficit fiscal crescente, abalado pelo custo da Previdência.

O governo não conseguiu realizar sua reforma da Previdência Social. A resposta foi rápida: as agências de classificação S&P Global Ratings, em janeiro, e Fitch, neste mês, rebaixaram a nota de risco soberano do Brasil, preocupadas com solvência do país

O Brasil fechou 2017 com déficit de 110,583 bilhões de reais nas contas públicas, o equivalente a 1,69% do PIB. O resultado foi um dos piores da série histórica.

- Eleições -

As turbulências financeiras do setor público e o desemprego persistente formam uma combinação tensa com o ambiente político conturbado. Esse clima antecipa um processo turbulento até as eleições de 7 de outubro.

Os mercados brasileiros dão sinais de otimismo desde a condenação de Luiz Inácio Lula da Silva pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), no fim de janeiro.

Mas, por ora, ainda não despontou nenhum candidato que levante as bandeiras econômicas que o mercado financeiro almeja.

 

Últimas Notícias

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
Marcelo Piloto é extraditado do Paraguai para o Brasil
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212