Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Maduro rebaixa e expulsa 24 oficiais da Força Armada - Jornal Brasil em Folhas
Maduro rebaixa e expulsa 24 oficiais da Força Armada


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, rebaixou e expulsou da Força Armada 24 oficiais, a maioria detidos ou exilados, segundo dois decretos publicados no diário oficial.

Maduro ordenou as medidas contra 11 militares ativos e 13 reformados, acusando-os de tentar derrubar o governo por formas violentas, com uso indevido e desproporcional de armas de guerra, e outros crimes como incitação à rebelião.

A lista inclui o capitão reformado Juan Carlos Caguaripano, detido em 11 de agosto, seis dias depois de comandar uma invasão a uma base militar do norte do país, na qual morreram dois de seus companheiros.

Segundo o governo, o oficial roubou armamento dessa guarnição.

Caguaripano se declarou em rebeldia pela atuação dos corpos de segurança frente os protestos opositores que deixaram 125 mortos entre abril e julho de 2017. Já o havia feito durante manifestações que tiveram um balanço de 43 mortos em 2014.

Entre os sancionados também figuram antigos aliados de Maduro e de seu antecessor, o falecido Hugo Chávez, como Raúl Baduel e Herbert García Plaza, segundo o decreto de 28 de fevereiro.

Baduel, ex-ministro da Defesa de Chávez e homem fundamental em sua restituição após o golpe de Estado que o tirou do poder durante 48 horas em 2002, está preso por um suposto complô contra Maduro.

García Plaza, por sua vez, ex-ministro do atual presidente, está no exterior após romper com ele.

Os militares ativos tinham patentes de tenente e oito deles fugiram da prisão castrense de Ramo Verde em novembro.

Maduro considerou todos os sancionados indignos de pertencer à Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) e dispõe que os reformados percam suas condecorações.

Para Rocío San Miguel, especialista em temas militares, o governante pressiona a FANB em meio à profunda crise política e socioeconômica justo quando tenta se reeleger até 2025 nas eleições de 20 de maio.

Esses decretos se tornam eficazes como forma de exercer melhor a coerção da Força Armada Nacional, ao invés de demonstrar, por parte do chefe de Estado e comandante em chefe, diante dos adversários, que tem poder sobre a FANB, escreveu San Miguel em um artigo.

A Força Armada é considerada por analistas o principal apoio de Maduro, a quem o alto comando jura frequentemente lealdade incondicional.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212