Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 As promessas eleitorais descomunais na Itália - Jornal Brasil em Folhas
As promessas eleitorais descomunais na Itália


A campanha para as eleições legislativas deste domingo (4) na Itália foi marcada por promessas descomunais, as quais, se cumpridas, segundo cálculos, deixarão o país endividado durante décadas.

Quase todos propõem a criação de novos postos de trabalho, a redução de impostos, uma mudança no sistema de aposentadorias, um salário mínimo garantido para todos, subsídios e ajudas para idosos: todos programas que seriam muito custosos para o Estado.

Mas quanto custam as promessas eleitorais e como cobri-las?

As promessas do Partido Democrata (PD, de centro-esquerda), liderado por Matteo Renzi, são as menos custosas: 35 bilhões de euros, segundo o partido; 38,6 bilhões de euros, segundo o Observatório para as Contas Públicas italianas da Universidade Católica; e 56,4 bilhões de euros, segundo o economista Roberto Perotti, da Universidade Bocconi em Milão.

Para a sigla antissistema Movimento Cinco Estrelas (M5E, populista) aplicar seu programa, que pede uma renda básica de cidadania, custará 78,5 bilhões, segundo os cálculos do partido; 103,4 bilhões, de acordo com o Observatório; e 108 bilhões, segundo Perotti.

Para tornar realidade as propostas da coalizão de direita liderada por Silvio Berlusconi, o número é bastante elevado, já que parte de um mínimo de 136,2 bilhões, segundo o Observatório; e de 171 bilhões, de acordo com Perotti.

O economista da prestigiosa Bocconi reconhece, por exemplo, que as propostas da xenófoba Liga Norte, aliada de Berlusconi, de eliminar a atual lei de aposentadorias são praticamente irrealizáveis, mas que servem para conquistar votos.

É óbvio que não poderão cumpri-las, afirma o economista.

Para o especialista de Oxford Economics, Nicola Nobile, trata-se também de promessas pouco realistas, ou desnecessárias.

Entre as promessas mais emblemáticas da direita, está o imposto único, o chamado Flat Tax, que substituiria o sistema progressivo atual. Seria uma redução da carga tributária que poderia custar cerca de 40 bilhões de euros ao Estado, segundo cálculos da imprensa especializada. Para Perotti, o custo beira os 65 bilhões de euros.

O que mais preocupa é o impacto que tais medidas poderão ter sobre a dívida pública.

Se aplicássemos apenas um terço do prometido, a Itália não respeitaria a obrigação de se manter no limite de 3% de déficit sobre o PIB, explica Perotti.

Hoje, a Itália se encontra em 2,5% e bastaria gastar 8 bilhões de euros a mais para chegar a 3%, adverte o especialista.

Se, como o imposto fixo, perde 65 bilhões de euros e calcula recuperar esse dinheiro com o crescimento do PBI, esse PIB deveria ser de 9%, algo impensável no momento, diz Perotti.

À exceção da Liga, todos os partidos se comprometeram com respeitar o limite de 3% exigido pela União Europeia.

O analista Jack Allen, da Capital Economics, considera que a política de corte de gastos não chegará a cobrir as cifras necessárias.

A dívida da Itália, que representa 131,6% de seu PIB, é a mais alta da Europa, depois da registrada pela Grécia. Segundo analistas, em quatro anos, vai chegar a 134,8% com o programa do PD; a 135,8%, com a FI; e a 138,4%, com o M5E.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212