Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 BNDES anuncia redução dos spreads e alongamento em prazos de financiamento - Jornal Brasil em Folhas
BNDES anuncia redução dos spreads e alongamento em prazos de financiamento


O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou hoje (6) mudanças nas políticas operacionais que são base para os financiamentos da instituição. Entre as mudanças está a redução dos spreads (que é a taxa pela qual o banco se remunera) em setores definidos como estratégicos, como segurança pública, inovação, meio ambiente, saneamento, tratamento de resíduos sólidos e qualificação profissional. Nesses casos, as taxas cairão de 1,7% ao ano (a.a.) para 0,9%. Em média, o spread caiu de 1,7% para 1,3%.

O ajuste foi aprovado pela diretoria do banco e passará a valer nos próximos dias. A alteração dá prosseguimento às medidas que passaram a valer em janeiro deste ano e que fixaram a Taxa de Longo Prazo (TLP) aplicada nos financiamentos do banco em 6,76% a.a.. O valor ficou próximo ao da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), fixada em 6,75% ao ano para o primeiro trimestre de 2018 pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). As medidas foram apresentadas nesta terça-feira (6) pelo presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, em entrevista no escritório paulista do banco.

Antes da mudança, todas as linhas diretas de financiamento do BNDES – Financiamentos a Empreendimentos (Finem) – tinham spread de 1,7%. “É correto que tenham todos um spread único? Isso não fazia sentido e essa é a novidade. Vamos atribuir menor ou maior prioridade conforme tabela que fatalmente é crescente em termos de spreads. Antes, o banco não diferenciava”, explicou Paulo Rabello de Castro. Das quatro linhas que formam o Finem, apenas a Padrão B, que inclui, por exemplo, o desenvolvimento territorial dos estados, Distrito Federal e municípios, aumentou de 1,7% para 2,1%.

Rabello estimou que, cerca de 85% das atividades do banco, terão o spread mantido ou terão taxas menores. Ele avalia que essas mudanças podem impactar no ambiente financeiro. “Vai influenciar. O fato de nós estarmos tomando a dianteira, dentro do sistema bancário, de fazer esse movimento, para nós é uma questão de obrigação, mas não deixa também de ser uma satisfação, não ser o último da fila. O banco reconhece que dispõe de recursos suficientes para, sem prejuízo da sua rentabilidade, fazer esse movimento em favor do cliente”, explicou.

Outra mudança anunciada foi o alongamento dos prazos, tanto de carência quanto de amortização, dos financiamentos de projetos de infraestrutura. Com isso, investimentos em ferrovias, rodovias, hidrovias e mobilidade urbana poderão ter prazo de até 34 anos. Antes, o máximo era 20 anos. Projetos de energias alternativas, portos, aeroportos, exportação e desenvolvimento regional podem chegar a 24 anos. Financiamentos a educação, saúde, segurança e telecomunicações têm prazo de até 20 anos. Para giro, o máximo agora é cinco anos.

Segurança pública

O setor de segurança pública foi incluído como área estratégica, a partir de um alinhamento com as políticas do governo federal. “O presidente já tinha anunciado uma Política Nacional de Segurança Pública, mas não andou. Agora ele pegou mais pesado e anunciou um Ministério Extraordinário da Segurança Pública e fez intervenção no Rio de Janeiro. O banco imediatamente respondeu no que nos cabia. Nós fazemos parte do governo”, justificou. Ele informou que a iniciativa não foi a pedido do governo.

Financiamentos para o setor têm o valor de spread mais baixo (0,9%) e está na modalidade Incentivada A. Rabello informou que o BNDES está preparado para desembolsar R$ 4 bilhões neste ano. “A partir do ano que vem – este é um programa que propusemos ao governo federal que seja de cinco anos para que realmente possamos ter efetividade no gasto em segurança – nós calculamos em R$ 42 bilhões o gasto total incluindo este ano. Nesse horizonte, no próximo ano, o banco pode ultrapassar a marca de R$ 12 bilhões”, declarou.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212