Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Inventor dinamarquês nega assassinato de jornalista no início do julgamento - Jornal Brasil em Folhas
Inventor dinamarquês nega assassinato de jornalista no início do julgamento


O inventor dinamarquês Peter Madsen, acusado pela morte em agosto do ano passado em seu submarino da jornalista sueca Kim Wall, cujo corpo mutilado admitiu ter jogado ao mar, se declarou inocente de assassinato na abertura do julgamento nesta quinta-feira.

O processo se realiza no tribunal de Copenhague, na presença de pessoas próximas à vida, incluindo seus pais, e muitos jornalistas.

De óculos de armação preta, camisa escura, Peter Madsen sentou-se na sala de audiência ao lado de sua advogada, Betina Hald Engmark.

Após o promotor Jakob Buch-Jepsen expor os fatos particularmente macabros do caso, pelo qual solicitará pena de prisão perpétua, Peter Madsen tomou a palavra.

Ele sustentou a mesma linha de defesa, segundo a qual Kim Wall morreu acidentalmente a bordo do submarino - de fabricação caseira - de seu cliente em 10 de agosto de 2017.

A morte teria sido causada, de acordo com ele, por gases tóxicos liberados durante uma despressurização. O acusado indicou que a queda de pressão do ar criou um fenômeno de aspiração que derrubou o painel da escotilha atingindo Wall no submarino que se encheu de gases tóxicos.

Continuo a dizer que não matei Kim Wall intencionalmente, declarou, com a voz segura. Ele explicou que mudou sua versão do caso várias vezes para poupar os parentes da jovem das circunstâncias terríveis de sua morte.

Ao ler a acusação, o procurador apresentou as peças materiais do caso: o corpo decapitado, mutilado e desmembrado de Kim Wall encontrado após o seu desaparecimento em várias partes da baía de Køge que separa a Dinamarca da Suécia, seu sangue no submarino e no nariz de Peter Madsen, e a serra encontrada no mar e que teria sido usada para cortar o cadáver.

A advogada de defesa reagiu, ironizando as falhas da acusação.

Se essas declarações apresentadas pelo procurador podem ser provadas, seriam muito incriminadoras para o meu cliente, mas não há provas suficientes do assassinato, menos ainda da premeditação, declarou ao tribunal.

Durante os 12 dias de audiências do julgamento, que deve prosseguir até 25 de abril, o tribunal tentará compreender a personalidade do acusado e as circunstâncias da tragédia.

A jornalista independente sueca, de 30 anos, havia embarcado com o enigmático criador do Nautilus para fazer uma entrevista.

Detido após o desaparecimento de Kim Wall, o inventor de 47 anos confessou durante um interrogatório que mutilou o corpo e o jogou no mar, mas negou o assassinato.

A autópsia não permitiu determinar as causas da morte de Kim Wall. Peter Madsen afirma que é inocente e alega que a jornalista sofreu um acidente a bordo.

As últimas mensagens trocadas entre Kim Wall e seu namorado foram projetadas na audiência.

Ainda estou viva, brincou ela às 20h15 do dia 10 de agosto. Mas vamos mergulhar agora. Te amo. Um minuto depois uma última mensagem: Ele trouxe café e biscoitos.

A acusação sustenta que Madsen torturou e matou o jornalista para satisfazer uma fantasia sexual. Nenhuma motivação, no entanto, aparece claramente.

A análise psicológica de Madsen, citada nesta quinta-feira pelo procurador, descreve-o como muito pouco confiável, perverso, polimorfo e sexualmente desviante.

Ele possui traços narcisistas e psicopáticos, ele manipula com falta de empatia e remorso, acrescentou Jakob Buch-Jepsen.

Testemunhas, incluindo várias ex-parceiras, descrevem um homem com múltiplas perversões sexuais, adepto do sado-masoquismo e praticante de simulações de estrangulamento.

A análise do disco rígido apreendido em seu estúdio - ele nega que seja o seu - revelou vídeos de mulheres - aparentemente reais de acordo com a acusação - estupradas, assassinadas, queimadas.

Os investigadores não encontraram os celulares de Kim Wall ou de Madsen, mas conseguiram estabelecer algumas pesquisas feitas do suspeito.

Na manhã de 10 de agosto, algumas horas antes da tragédia, Madsen fez pesquisas sobre decapitações de mulheres. Em 26 de julho, também procurou decapitações de mulheres e assistiu a vídeos.

Por que, perguntou o procurador. Não é sexual, vejo esses vídeos para chorar e experimentar emoções, disse Peter Madsen.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212