Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Entrada de ajuda humanitária em Ghuta Oriental é adiada - Jornal Brasil em Folhas
Entrada de ajuda humanitária em Ghuta Oriental é adiada


A entrada de um comboio de ajuda humanitária prevista para esta quinta-feira (8) no reduto rebelde de Ghuta Oriental foi adiada por motivos de segurança, ao mesmo tempo em que o governo sírio prossegue a ofensiva terrestre e os bombardeios nesta região da periferia de Damasco.

Na região, médicos mencionaram dezenas de casos de asfixia na quarta-feira à noite e denunciaram um possível ataque químico.

Apoiado pela Rússia, o governo Bashar al-Assad reconquistou mais da metade da região desde que intensificou a ofensiva, em 18 de fevereiro, contra o último bastião rebelde próximo da capital do país.

Mais de 900 civis morreram nos bombardeios das últimas semanas, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Apesar do apelo da ONU por uma trégua, as forças sírias prosseguem com a ofensiva, com a intenção de dividir o território de Ghuta Oriental, onde quase 400.000 pessoas estão sitiadas desde 2013 e sofrem com a falta de alimentos e de remédios.

A ONU e várias ONGs deveriam distribuir ajuda humanitária nesta quinta-feira, mas a operação foi adiada.

A evolução no local não permite levar a operação adiante, afirmou Ingy Sedky, porta-voz do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).

- Comboio imobilizado -

Os caminhões do comboio permaneceram estacionados na periferia de Damasco, perto de um corredor humanitário que vai até o reduto rebelde.

Na segunda-feira, um comboio de 40 caminhões com ajuda humanitária foi obrigado a encurtar sua missão pelos bombardeios em Duma, cidade de Ghuta. A princípio, a ajuda médica e os alimentos deveriam atender a 70.000 pessoas.

Uma autoridade militar indicou a jornalistas que as autoridades sírias haviam aberto outra passagem humanitária entre a periferia de Damasco e o sul de Ghuta para permitir a passagem de civis.

Na quarta-feira, o Conselho de Segurança da ONU manifestou seu desejo de que a ajuda fosse entregue todos os dias em Ghuta, indicou uma fonte diplomática.

O governo Assad ignora os pedidos e continua com a ofensiva, apesar da resolução do Conselho de Segurança do fim de fevereiro que pede um cessar-fogo de 30 dias em toda a Síria, país em que a guerra iniciada em 2011 deixou mais de 340.000 mortos.

Na quarta-feira, os bombardeios do regime e da aliada Rússia mataram 91 civis, denunciou o OSDH, apesar de uma trégua diária de cinco horas decretada por Moscou há mais de uma semana.

Combates eram registrados na periferia de Ghuta, enquanto as cidades de Hamuriya e Jisrin eram bombardeadas.

- Asfixia -

Na quarta-feira à noite, pelo menos 60 pessoas sofreram dificuldades respiratórias nas localidades de Saqba e Hamuriya, após os bombardeios, informou o OSDH.

De acordo com a ONG, os bombardeios foram realizados pelas aviações do governo sírio e da Rússia, aliada de Damasco, que negou bombardear Ghuta Oriental.

Casos de asfixia similares foram registrados em outras duas ocasiões nos últimos dias, segundo o OSDH.

Por um ataque com gás de cloro em Ghuta Oriental temos pacientes que sofrem dificuldades respiratórias severas, afirmou a Sociedade Médica Sírio-Americana (SAMS), uma ONG que apoia os centros médicos da Síria.

Em Hamuriyah, dezenas de pessoas abandonaram as áreas no subsolo em que estavam refugiadas para evitar os bombardeios e buscavam o ar.

Pais tiraram as roupas dos filhos, que tossiam sem parar, para lavá-los com água e tentar eliminar a possível presença de gás tóxico em seus corpos.

Estou sem ar, gritavam dois meninos, enquanto eram levados por voluntários para receber atendimento.

Nas últimas semanas, o governo sírio foi acusado de lançar vários ataques com gás cloro.

As acusações, rejeitadas por Bashar al-Assad, provocaram uma grande comoção. Washington e Paris ameaçaram a Síria com represálias.

Paralelamente, forças turcas e rebeldes sírios aliados tomaram nesta quinta-feira o controle total de Khandairis, localidade do enclave de Afrin (noroeste da Síria), onde Ancara conduz uma ofensiva contra uma milícia curda.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212