Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Movimento #MeToo contra assédio não trará mudanças para todas as mulheres, mostra pesquisa - Jornal Brasil em Folhas
Movimento #MeToo contra assédio não trará mudanças para todas as mulheres, mostra pesquisa


LONDRES (Thomson Reuters Foundation) - Um movimento global para acabar com o assédio sexual contra mulheres irá provocar mudanças, mas não para todo mundo, com mulheres mais pobres ainda relutantes em denunciar abusos por medo de serem responsabilizadas, indicaram uma pesquisa de opinião e especialistas em direitos da mulher em cinco continentes.

Antes do Dia Internacional da Mulher em 8 de março, a Thomson Reuters Foundation perguntou a pessoas no Reino Unido, Estados Unidos, Quênia, Índia e Brasil se o movimento #MeToo que está dominando manchetes por todo o mundo realmente significa mudanças para as mulheres.

Algumas pessoas disseram que agora se sentem mais confiantes para falar sobre abuso, mas outras afirmaram temer repercussões e algumas disseram que a campanha não conseguiu ter efeito em seus países.

O ano passado foi essencial para os direitos das mulheres, depois que acusações de assédio sexual feitas contra o produtor de Hollywood Harvey Weinstein desencadearam a campanha #MeToo, com mulheres usando as redes sociais e indo às ruas para revelar suas próprias experiências com abuso.

Uma em cada três mulheres em todo o mundo sofreu alguma violência física ou sexual, em sua maioria por alguém que elas conheciam, segundo a ONU Mulheres.

(A campanha) fez as pessoas perceberem que o assédio sexual tem sido uma regra social, e agora as pessoas estão reconhecendo que isso não é ok, disse Ruth McCabe, de 32 anos, que administra um negócio que reduz desperdício de comida em Londres.

Uma campanha como essa traz à tona o fato de que a cada segundo uma mulher está passando por isso, independentemente se você é a CEO de uma companhia ou uma empregada doméstica, disse a empresária de 42 anos Suman Chhabria Addepalli, em Mumbai.

A vendedora de loja brasileira Talita Célia e Silva, de 29 anos, disse que muitas mulheres continuam tendo medo de denunciar seus abusadores.

Nós não sabemos até onde (o movimento) irá...Eu acho que ainda há muitas mulheres que sofrem e que têm medo de falar, disse Talita, no Rio de Janeiro.

Uma pesquisa da Thomson Reuters Foundation em fevereiro apontou que mais de 120 funcionários de cerca de 20 importantes instituições de caridade globais foram demitidos ou perderam seus empregos em 2017 por má conduta sexual.

(Reportagem adicional de Cormac OBrien em Londres, Rina Chandran em Bangkok, Nita Bhalla em Nairóbi, Sebastien Malo em Nova York, Karla Mendes no Rio de Janeiro e Roli Srivastava em Mumbai)

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212