Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Para Estados Unidos, pressões abriram caminho para reunião Trump-Kim - Jornal Brasil em Folhas
Para Estados Unidos, pressões abriram caminho para reunião Trump-Kim


A estratégia que uniu sanções econômicas, ameaças militares e pressão máxima pela via diplomática abriu caminho para a histórica reunião entre o presidente americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, afirmou nesta sexta-feira (9) o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence.

A Casa Branca surpreendeu o mundo na noite de quinta-feira ao anunciar que Trump havia aceitado uma oferta de Kim de um encontro, que possivelmente será realizado até o fim de maio, para discutir a segurança e a desnuclearização da península coreana.

Nesta sexta-feira, em uma nota oficial, Pence apontou que a oferta de Kim para um encontro com Trump era a evidência de que a estratégia da Casa Branca de isolar o governo de Pyongyang deu resultado.

De acordo com Pence, os norte-coreanos vêm à mesa apesar dos Estados Unidos não terem feito nenhuma concessão.

Por isso, acrescentou o funcionário, a campanha de pressão máxima continuará até que a Coreia do Norte tome medidas concretas, permanentes e verificáveis para acabar com seu programa nuclear.

Trump manteve nesta sexta uma conversa por telefone com o presidente chinês, Xi Jinping, e os dois concordaram em manter as pressões.

Ambos os líderes saudaram a perspectiva de um diálogo entre Estados Unidos e Coreia do Norte, e se comprometeram a manter a pressão e as sanções até que o governo de Pyongyang avance para uma eliminação completa, verificável e irreversível de suas armas nucleares.

- Apoio cauteloso -

Esta posição é compartilhada por um dos principais aliados asiáticos de Washington, o governo do Japão, que também defendeu a manutenção da política de pressão sobre Pyongyang.

Em uma mensagem pela televisão, o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que apreciava enormemente a mudança de retórica por parte da Coreia do Norte em relação à eliminação das armas nucleares, mas manteve a cautela.

Não há mudanças na política para Japão e Estados Unidos, afirmou. Vamos continuar exercendo uma pressão máxima até que a Coreia do Norte tome ações concretas até uma desnuclearização perfeita, verificável e irreversível, disse.

Para a Casa Branca, a campanha de pressão máxima também inclui insistir com a China, aliada da Coreia do Norte, para que assuma um papel mais ativo a fim de convencer Pyongyang a abandonar seu programa de armas nucleares.

O presidente chinês, Xi Jinping, já expressou sua confiança de que Estados Unidos e Coreia do Norte entrem em contato e dialoguem o quanto antes.

Em Nova York, o secretário-geral da ONU, António Guterres, saudou a liderança e visão mostrada por Trump e Kim em avançar até um encontro.

Guterres se sente alentado pelo anúncio de uma concordância para realizar a reunião e elogia a liderança e a visão de todos os interessados, declarou o porta-voz da ONU, Stéphane Dujarric.

Para a Rússia, a reunião é um passo em uma boa direção e necessária para normalizar a situação, afirmou seu chanceler, Sergei Lavrov, que também expressou satisfação pelo encontro que será mantido pelos dirigentes das duas Coreias no final de abril.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), por sua vez, expressou sua esperança de que o esforço por uma reunião permita progressos concretos na questão nuclear norte-coreana.

Enquanto isso, a União Europeia (UE) considerou que a disposição de Trump em aceitar o convite de Kim é um acontecimento positivo, enquanto a chanceler alemã, Angela Merkel, avaliou que oferece uma luz de esperança.

- Uma surpresa -

Não obstante, o espetacular anúncio do encontro entre Trump e Kim pareceu pegar de surpresa o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, que está em uma viagem pela África.

Durante uma visita a Dijbuti, Tillerson disse nesta sexta-feira que a abertura mostrada por Kim foi um pouco surpreendente para nós, depois de um ano de agressiva retórica e tensões militares.

Na véspera, poucas horas antes do anúncio sobre a reunião, Tillerson estava na Etiópia, e durante coletiva de imprensa opinou que a ideia de negociações diretas entre Washington e Pyongyang ainda estava longe.

Ao fazer o anúncio na Casa Branca na quinta-feira, o negociador sul-coreano, Chung Eui-yong, afirmou que Kim está comprometido com a desnuclearização da península coreana e com a interrupção dos testes de mísseis balísticos.

Precisamente, a eliminação das armas nucleares da península e o fim dos testes de mísseis foram algumas das prioridades da diplomacia global nos últimos anos, e por isso se trata de uma oportunidade.

O próprio Trump escreveu no Twitter na quinta-feira que o governo norte-coreano mencionou uma desnuclearização e não apenas um congelamento dos testes nucleares.

Os analistas, no entanto, não estão tão convencidos.

Essencialmente dá (a Kim) um status de igualdade com o presidente americano e fortalece sua tentativa de reconhecer a Coreia do Norte como um país nuclear de fato, disse Evan Medeiros, do Eurasia Group e ex-assessor de Barack Obama.

Jeffrey Lewis, que lidera o respeitado Programa de Não-Proliferação do Leste Asiático, considerou no Twitter que Trump está dançando a música de Kim.

Kim não está convidando Trump para entregar as armas da Coreia do Norte. Kim convida Trump para mostrar que seu investimento em capacidades nucleares e balísticas forçou os Estados Unidos a tratá-lo como um igual.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212