Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Colômbia comparece às urnas para eleições legislativas e direita busca maioria - Jornal Brasil em Folhas
Colômbia comparece às urnas para eleições legislativas e direita busca maioria


Os colombianos comparecem às urnas neste domingo para escolher um novo Congresso, que pode ter como maioria a direita contrária ao acordo de paz com a ex-guerrilha das Farc, que estreia nas urnas como partido político.

Esta é a primeira vez em 50 anos que os milhões de eleitores do país votarão sem a ameaça dos grupos rebeldes. A votação prosseguirá até as 16H00 locais (18H00 de Brasília).

Apesar de ter uma pequena representação garantida no próximo Parlamento bicameral (10 de 280 cadeiras), a Força Alternativa Revolucionária do Comum (Farc), partido criado após o desarmamento dos insurgentes, enfrentará pela primeira vez uma votação.

Sem chances de vitória, de acordo com as pesquisas, o grupo só participará das legislativas e anunciou esta semana a saída da disputa pela presidência, em consequência do delicado estado de saúde de seu líder e candidato, Rodrigo Londoño (Timochenko).

Estas eleições serão as mais tranquilas, as mais pacíficas para os colombianos em nossa história recente, destacou o presidente Juan Manuel Santos depois de votar no centro de Bogotá.

As eleições acontecem em meio à trégua unilateral do Exército de Libertação Nacional (ELN), com o qual Santos também tenta negociar a paz.

A jornada eleitoral marca o início da campanha para a votação de 27 de maio, que escolherá o sucessor do presidente liberal de centro-direita.

As legislativas podem ter como protagonistas os partidos de direita, liderados pelo ex-presidente e senador Álvaro Uribe.

As pesquisas projetam o triunfo do Centro Democrático, partido de Uribe, e de outros movimentos que prometem modificar o acordo assinado com as Farc no fim de 2016.

O ex-presidente se perfila como um dos senadores mais votados e, caso as projeções sejam confirmadas, a direita passará a ter maioria no Congresso.

Embora dificilmente teria condições de mudar de modo substancial o acordo de paz, a vitória de Uribe e seus potenciais aliados gera incerteza sobre a implementação do sistema de justiça definido com a ex-guerrilha para atender centenas de milhares vítimas da guerra.

O pacto que possibilitou o fim do conflito armado permite aos ex-comandantes rebeldes exercer a política sem terem confessado seus crimes e compensado as vítimas.

Aqueles que cumprem os compromissos de verdade e de reparação e desistem de retornar às armas, podem receber penas alternativas à prisão.

E isto é o que mais irrita Uribe e os setores que venceram o plebiscito sobre o acordo de paz, o que obrigou o governo a renegociar alguns pontos do acordo de 2016. Mesmo assim, nunca ficaram satisfeitos.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212