Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Grupos alemães anunciam operação que mudará setor energético - Jornal Brasil em Folhas
Grupos alemães anunciam operação que mudará setor energético


Os grupos alemães de energia RWE e E.ON anunciaram neste domingo uma grande operação de intercâmbio de atividades e de capital no valor de mais de 25 bilhões de dólares.

A decisão representa uma grande mudança para o setor energético, no momento em que o país abandona a energia nuclear, e uma reestruturação da produção, distribuição e comercialização de eletricidade e gás na Alemanha e em outros locais da Europa.

O acordo de princípio, anunciado pela RWE, levará a uma nova divisão de papéis entre as duas empresas, antigas concorrentes. Ainda é necessário que os acionistas das sociedades envolvidas e as autoridades de concorrência aprovem a mudança.

Desta forma, a RWE se concentrará na produção de energia, convencional e renovável, e a E.ON, na distribuição da energia e em sua comercialização.

A RWE passará a fazer parte de 17% do capital da E.ON, através de uma ampliação do mesmo.

Durante décadas, E.ON e RWE foram grandes rivais, e agora chegaram a um acordo, em uma transação espetacular, que irá reconfigurar o mercado europeu de energia, publicou o jornal econômico Handelsblatt em seu site.

A operação prevê a venda à E.ON e posterior desmantelamento da Innogy, filial da RWE criada há dois anos para reagrupar suas atividades de produção de energia renovável e as redes de distribuição e comercialização de eletricidade.

Seu diretor geral, Peter Terium, foi demitido em dezembro, ante os resultados decepcionantes da Innogy.

A transação avalia a Innogy em 22 bilhões de euros, e a E.ON fará uma oferta de compra aos acionistas minoritários. Depois, a atividade de produção de energias renováveis da filial passará à RWE, enquanto a E.ON manterá seus outros dois pilares.

A RWE comprará também da E.ON por 1,5 bilhão de euros suas partes minoritárias em duas de suas centrais nucleares alemãs, em Emsland e Gundremmingen.

Na Alemanha, resta apenas um punhado de centrais atômicas, que produzem 15% da eletricidade do país. Mais de 30% da energia procedem das renováveis, e esta proporção deve alcançar teoricamente 80% em 2050.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212