Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Londres realiza grande investigação sobre envenenamento de ex-espião russo - Jornal Brasil em Folhas
Londres realiza grande investigação sobre envenenamento de ex-espião russo


A polícia britânica realiza uma ampla investigação para tentar lançar luz sobre o envenenamento do ex-agente duplo russo Serguei Skripal, que segue em estado crítico, anunciou neste sábado o governo britânico, que prepara suas armas para o caso de envolvimento de Moscou.

É uma investigação séria, importante, declarou hoje a ministra britânica do Interior, Amber Rudd, após a segunda reunião do comitê Cobra, convocado em casos de emergência nacional no Reino Unido.

É uma investigação muito minuciosa, detalhada, realizada com rapidez e profissionalismo por mais de 250 policiais dos serviços britânicos antiterrorismo, assinalou. Dedicamos recursos enormes a fim de garantir que tenham todo o apoio necessário para proceder.

Até o momento, a polícia identificou mais de 240 testemunhas e recolheu cerca de 200 provas, além de uma grande quantidade de imagens de câmeras de segurança.

Além disso, recebeu um reforço de cerca de 180 militares, segundo o Ministério da Defesa. Eles foram mobilizados para remover veículos e objetos potencialmente contaminados pelo agente nervoso administrado a Skripal, 66, e sua filha Yulia, 33, encontrados inconscientes no último dia 4 em um banco de praça na cidade inglesa de Salisbury, onde vive o ex-espião.

Skripal continuava em estado crítico, mas estável neste sábado, segundo a ministra Amber.

- Potência de recursos -

A ministra considerou prematuro apontar um responsável, embora seu colega das Relações Exteriores, Boris Johnson, tenha apontado esta semana para a Rússia, com quem o Reino Unido mantém uma relação turbulenta.

O encontro, o segundo desde quarta-feira, teve o objetivo de fazer um balanço da investigação, comandada pela unidade de polícia antiterrorista e que foi ampliada para tentar determinar a origem do agente neurotóxico usado no crime, assim como o local e a forma de administração.

Theresa May prometeu atuar de forma apropriada se ficar comprovada a participação de um Estado no caso.

O governo está disposto a responder com toda a força dos recursos do Reino Unido se for apropriado e proporcional ao que se deve fazer, afirmou o secretário de Estado para a Segurança, Ben Wallace, neste sábado, à BBC.

O jornal Daily Telegraph indicou que Theresa May poderia anunciar sanções contra a Rússia a partir de segunda-feira, enquanto o Times informou que Londres discute com os aliados (EUA e países europeus) possíveis represálias coordenadas, que incluiriam medidas diplomáticas, econômicas e militares.

Os olhares estão voltados para a Rússia, já que, para muitos, o envenenamento de Skripal lembra o de Alexander Litvinenko, ex-agente do serviço secreto russo assassinado em Londres em 2006, por ordem de Moscou, segundo um juiz britânico.

A Rússia, que denuncia uma propaganda contra o país, nega qualquer envolvimento no envenenamento de Skripal e sua filha.

Serguei Skripal foi condenado por traição em seu país e se mudou para a Inglaterra em 2010, quando foi incluído em uma troca de prisioneiros organizada por Moscou, Londres e Washington.

A polícia ampliou a investigação para todos os locais frequentados em Salisbury por Skripal e a filha, que estava de visita. Os dois estão internados no Salisbury District Hospital, e foram expostos a um agente neurotóxico, uma substância química que ataca o sistema nervoso e pode provocar a morte.

A polícia isolou um restaurante e um pub, assim como a casa do ex-agente e o cemitério de Salisbury: dois especialistas trabalhavam nos túmulos da mulher de Skripal, falecida em 2012 de câncer, e de seu filho, morto no ano passado por uma doença hepática.

Um policial que ajudou o ex-espião e sua filha também foi afetado. Ele se encontra em estado grave mas estável, está consciente e pode falar, afirmou o chefe de polícia de Wiltshire, Kier Pritchard.

A imprensa britânica cita a hipótese de Yulia ter entrado, sem saber, com a substância no Reino Unido, ao transportar um presente enviado por amigos da Rússia.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212