Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mineradora admite a deputados existência de duto clandestino no Pará - Jornal Brasil em Folhas
Mineradora admite a deputados existência de duto clandestino no Pará


Em audiência pública promovida por comissão externa da Câmara dos Deputados, a mineradora Hydro Alunorte admitiu a existência de duto clandestino em Barcarena, no nordeste do Pará. A região foi alvo de vazamento de rejeitos de bauxita. Laudos do Instituto Evandro Chagas e do Instituto de Química Fina do Pará constataram níveis elevados de alumínio e chumbo em rios e igarapés utilizados pela população. O chumbo é cancerígeno em caso de consumo continuado.

Nesta sexta-feira (23), a comissão externa da Câmara visitou a sede e os sistemas de contenção de rejeitos da mineradora. Depois, promoveu um debate com representantes de 60 comunidades afetadas, além de integrantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Defensoria Pública.

MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ
As ações do governo do Pará no município de Barcarena, mais especificamente nas comunidades Bom Futuro e Vila Nova, localizadas na área das bacias de rejeitos da Hydro. Coleta da água dos poços artesianos, para verificar se está própria para o consumo humano. Nesta sexta-feira (23), técnicos do Laboratório Central do Estado (Lacen) começaram o trabalho, que faz parte do conjunto de ações do grupo de trabalho montado pelo governo depois que o Instituto Evandro Chagas confirmou a contaminação da área.

Técnicos do governo local analisam qualidade da água de poços artesianos em comunidades na área das bacias afetadas por rejeitos da empresa Hydro

O coordenador da comissão, deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA), disse que, inicialmente, a Hydro negou o vazamento, mas acabou admitindo a existência do duto clandestino, durante a audiência pública. “Foi denunciada pela comunidade a saída clandestina de resíduos que não foram levados diretamente para o rio, mas para a mata, em uma tentativa de esconder o problema. Da mata, a lama vermelha vai para o rio, causando sérias doenças na população”, apontou o parlamentar. “Na audiência, o senhor Sílvio Porto, vice-presidente nacional da Hydro, teve de reconhecer que havia um duto.”

Próximos passos
A OAB do Pará pretende entrar com ação para suspender o licenciamento da mineradora até que sejam descartados os riscos de desmoronamento da barragem de rejeitos e de contaminações do lençol freático. O Ministério Público também já abriu inquéritos para apurar o caso. Representantes das comunidades chegaram a pedir a prisão dos responsáveis pelo vazamento.

Edmilson Rodrigues informou que a comissão externa da Câmara já preparou uma série de questionamentos aos órgãos públicos diretamente ligados ao caso e, na segunda-feira (26), em Brasília, vai definir novas audiências públicas com autoridades e cientistas.

“Pediremos à Agência Nacional de Mineração (antigo DNPM) que faça urgentemente vistoria para verificar se há risco de desabamento das barragens”, adiantou. “Também queremos uma audiência com a embaixada norueguesa, já que a Noruega tem participação de 34% na empresa – que é uma espécie de holding, com capital privado e estatal. Desejamos que o Estado norueguês nos ajude a cobrar da empresa o cumprimento das leis vigentes no Brasil”, acrescentou.

Reincidência
Edmilson Rodrigues afirmou que seu relatório sobre o caso será técnico e ainda não tem prazo para ser apresentado. O deputado lembrou que a Hydro Alunorte é reincidente: em 2009, a empresa já tinha sido multada pelo Ibama por fato semelhante, mas recorreu e até hoje não pagou a punição, avaliada hoje em cerca de R$ 17 milhões.

Segundo dados da comissão, o Brasil registrou 18 acidentes graves com mineradoras desde 2006. A deputada Elcione Barbalho (PMDB-PA) espera que o novo acidente acelere a votação do projeto de lei (PL 3563/15) de autoria dela que torna obrigatório o pagamento de indenizações e contratação de seguro no caso de rompimento de barragens. O texto tramita em conjunto com outra proposta semelhante (PL 3561/15), que está em regime de urgência e, portanto, pronta para a apreciação do Plenario da Câmara.

“Veja, por exemplo, o caso de Mariana (MG): ali morreram 19 pessoas, e as famílias prejudicadas ainda não receberam nada. O tempo vai passando e o caso vai sendo esquecido, porque parece existir um lobby por parte das empresas para não avançar esse tipo de projeto de lei”, declarou Elcione.

Comitiva
Além de Edmilson Rodrigues e Elcione Barbalho, a comissão externa que acompanha os desdobramentos da contaminação em Barcarena é integrada pelos deputados Arnaldo Jordy (PPS-PA) e Delegado Éder Mauro (PSD-PA). O deputado Zé Geraldo (PT-PA) não compõe o colegiado, porém também esteve presente no debate de hoje.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212