Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Queda forte do preço do petróleo faz Moody´s revisar nota de países exportadores - Jornal Brasil em Folhas
Queda forte do preço do petróleo faz Moody´s revisar nota de países exportadores


A agência de classificação de risco Moody’s colocou em revisão a nota e as perspetivas de 18 países exportadores de petróleo, entre eles, a Rússia, e incluindo Angola, admitindo um corte da nota de classificação de crédito [rating] devido à queda dos preços do petróleo. Em comunicado, a agência norte-americana informou que, para 12 dos 18 Estados soberanos, iniciou revisões para possível baixa da nota de crédito que reflita o “impacto total do choque petrolífero de uma forma sistemática e consistente”.

Os 12 estados em análise, e os respetivos ratings são: Abu Dhabi (Aa2), Angola (Ba3), Gabão (Ba3), Cazaquistão (Baa2), Kuwait (Aa2), Nigéria (Ba3), Papua Nova Guiné (B1), Qatar (Aa2), Rússia (Ba1), Arábia Saudita (Aa3), Trinidad e Tobago (Baa2) e os Emirados Árabes Unidos (Aa2).

Em quatro casos, Azerbaijão (de Baa3 para Ba1), Bahrein (de Baa3 para Ba1), República do Congo (Ba3 para B1), Omã (de A1 para A3), a Moody’s baixou a nota de classificação de crédito e colocou-os em revisão para uma baixa adicional que reflita o impacto mínimo que acredita que a queda dos preços vai ter nos perfis de crédito desses países produtores, e espera concluir todos os comentários no prazo de dois meses.

A agência confirmou o rating estável Aaa da Noruega e mudou a perspetiva de estável para negativa na classificação Caa3 da Venezuela.

Também hoje (5), a Moody’s publicou relatório mais aprofundado sobre os seus pontos de vista e considerações analíticas que impulsionaram as decisões de rating, no qual explica que a queda contínua dos preços do petróleo tem implicações profundas no crescimento econômico, uma vez que o petróleo e o gás são usados para impulsionar o crescimento econômico e financeiro dos estados.

“Dada a importância em termos econômicos e fiscais, a agência de classificação conclui que os perfis de risco de crédito desses estados soberanos exportadores de petróleo estão, portanto, sob pressão crescente”, diz trecho da nota da agência.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212