Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Sema licencia aterro sanitário para atender cinco municípios de MT - Jornal Brasil em Folhas
Sema licencia aterro sanitário para atender cinco municípios de MT


Aproximadamente 600 toneladas de lixo por mês terão a destinação correta em Mato Grosso. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) renovou a licença de instalação e emitiu a de operação (LI e LO) do aterro sanitário da cidade de Mirassol D’ Oeste (a 296 km a oeste de Cuiabá) para coleta de resíduos de cinco municípios. O aterro recebeu a autorização para iniciar suas atividades no dia em fevereiro com validade até 2021.

O empreendimento administrado pelo Consórcio Intermunicipal Nascentes do Pantanal atenderá os municípios de Mirassol D’Oeste, São José dos Quatro Marcos, Araputanga, Indiavaí e Curvelândia. Além de receber resíduos sólidos domiciliares dos moradores das cidades, o local terá usina de triagem, pátio de compostagem, fará tratamento de resíduos de serviços de saúde por autoclave, entre outras atividades. O local tem capacidade para receber até 20 toneladas de lixo por dia em uma área total de 16,94 hectares, sendo 4,78 hectares para o aterro sanitário.

“A iniciativa está de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos e entendemos que a destinação adequada do lixo é primordial para mitigar a poluição da água, solo e ar”, destaca o secretário de Estado de Meio Ambiente, André Baby.

Com a coleta e destinação correta do lixo aliada a conscientização da população, o empreendimento instalado na região Oeste do Estado é importante para a manutenção das nascentes dos rios Paraguai, Sepotuba, Jauru e Cabaçal, cujas cabeceiras têm a maior área de contribuição hídrica do Pantanal. Resíduos descartados de forma inapropriada são levados pela chuva para os córregos e mananciais das cidades causando a degradação dos recursos naturais.

O aterro sanitário de forma consorciada é único no Estado e pretende ser referência para as demais regiões mato-grossenses, conforme explica o secretário executivo do consórcio, Dariu Antônio Carniel. Ele informa já ter entrado na Sema com pedido de ampliação do atendimento de cinco municípios para 13, para ampliar a capacidade de 20 ton/dia para 40 ou 50 ton/dia. “Vamos aguardar a análise da secretaria e depois a resposta do Conselho Estadual do Meio Ambiente”, diz.

O Consórcio fundado em 2007 possui sede em São José dos Quatro Marcos e tem como consorciados os municípios de Araputanga, Curvelândia, Figueirópolis D’Oeste, Glória D’Oeste, Indiavaí, Jauru, Lambari D’Oeste, Mirassol D’Oeste, Porto Esperidião, Reserva do Cabaçal, Rio Branco, Salto do Céu e São José dos Quatro Marcos.

Sobre o aterro

O Plano Regional de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos (PRGIRS) do aterro de Mirassol atenderá aos requisitos da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com recursos captados junto à Funasa, na ordem de R$ 5,7 milhões, e contrapartida dos municípios, o sistema de tratamento e destino final de resíduos compostos também possui: célula para destino de rejeitos, sistema de tratamento do chorume, central de triagem de recicláveis em São José dos Quatro Marcos e Araputanga, além de uma central de transbordo no município, guarita com balança rodoviária entre outros instrumentos de monitoramento e controle.

Cenário mato-grossense

Atualmente, Mato Grosso possui 22 aterros sanitários em processo de licenciamento na Sema, 15 estão em análise e sete em operação no Estado, atendendo 23 municípios. Destes, dois aterros são particulares, sendo um somente para recebimento de resíduos industriais.

O coordenador de Gestão de Resíduos Sólidos da Sema, engenheiro sanitarista e ambiental Everaldo Gasparini, ressalta que, além da função ambiental, o aterro é importante para o bem-estar da população. “Para nós engenheiros, aterro sanitário é a estrutura básica para qualquer município existir. Se fosse perguntar o que é necessário para a criação de uma cidade eu diria que rede de esgoto, drenagem, água e destinação dos resíduos. Se isso não for feito, o gestor municipal terá gastos elevados em diversas áreas, principalmente com a saúde”.

Quando os resíduos são dispostos inadequadamente, nas áreas periféricas da cidade, em córregos, rios e drenagens urbanas, há o favorecimento e a proliferação de vetores de doenças. Além disso, os catadores são submetidos a situações de risco, já que os resíduos recicláveis presentes nos lixões não são separados na fonte geradora e estão contaminados.

A Lei N° 12.305/2010 que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos trouxe a responsabilidade compartilhada de todos os gestores e da sociedade, esclarecendo que o dever não é somente do Estado ou da União. A legislação estabelece que todos os que geram resíduos têm a responsabilidade de oferecer a destinação adequada dos descartes.

Segundo o Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil 2015, realizado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) entre 2014 e 2015 a produção de lixo no país cresceu 1,7%, quase um ponto acima do crescimento da população. Por ano, 30 milhões de toneladas de lixo vão parar nos mais de 2 mil aterros irregulares no Brasil.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212