Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Senado aprova quarentena de três anos para ex-membros do Judiciário e do MP - Jornal Brasil em Folhas
Senado aprova quarentena de três anos para ex-membros do Judiciário e do MP


O Senado aprovou, nesta quarta-feira (14), o projeto de lei (PLS 341/2017) que estabelece quarentena a ex-juízes e ex-membros do Ministério Público para exercerem a advocacia perante o órgão onde atuavam. A proposta, que foi elaborada durante os trabalhos da Comissão Parlamentar Mista da JBS, ainda precisa ser aprovada pela Câmara dos Deputados antes de ir à sanção presidencial e entrar em vigor. A matéria foi aprovada pela maioria simbólica dos senadores presentes.

Segundo o texto, os profissionais que se desligarem de suas funções no Ministério Público ou na magistratura deverão esperar três anos, após aposentadoria ou exoneração, para atuarem perante seus antigos órgãos, seja diretamente, por meio da advocacia privada, ou em qualquer situação que exponha conflito de interesses ou uso de informações privilegiadas. O projeto inclui o Inciso III ao Artigo 30 do Estatuto da Advocacia (Lei 8.906/1994).

De autoria do senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO), que foi presidente da CPMI da JBS, a proposta tem como objetivo impedir casos como o do ex-procurador Marcelo Miller. Ele desligou-se da PGR em abril de 2017. Em seguida, passou a trabalhar para o escritório Trench Rossi Watanabe, que presta serviços para a J&F, holding dos irmãos Batista que controla também a JBS.

Miller ainda é acusado de ter atuado no acordo de delação premiada, assinado pelos irmão Joesley e Wesley Bastista com a Procuradoria-Geral da República, enquanto ainda era procurador. O ex-procurador admite ter se encontrado com executivos da JBS antes de deixar o cargo público, mas nega ter prestado orientação jurídica relativa ao acordo de delação premiada.

O relatório final aprovado pela CPMI da JBS pediu o indiciamento dos irmãos Wesley e Joesley Batista, do ex-executivo da JBS Ricardo Saud e do ex-procurador da República Marcelo Miller. O documento pede ainda que o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot e seu ex-chefe de gabinete Eduardo Pelella sejam investigados pelo Ministério Público.

Matéria alterada às 20h10, para esclarecer que o impedimento vale especificamente para o local onde os ex-membros do MP e do Judiciário atuavam.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Dois jovens feridos em incêndio no Ninho do Urubu estão fora de perigo
IGP-DI tem inflação de 0,07% em janeiro, diz FGV
Indicadores do mercado de trabalho da FGV mostram melhora em janeiro
Guedes defende nova modalidade de contratação trabalhista
Custo de vida em São Paulo tem alta de 0,43% em janeiro
Sisu convoca a partir de hoje candidatos em lista de espera
Começam nesta quinta-feira as inscrições para o Fies
Grupo de Contato Internacional discute conflitos na Venezuela

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212