Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Comissão de vereadores visita Maracanã e defende municipalização do estádio - Jornal Brasil em Folhas
Comissão de vereadores visita Maracanã e defende municipalização do estádio


A Comissão de Esportes e Lazer da Câmara Municipal do Rio de Janeiro visitou hoje (14) o estádio Maracanã para avaliar as suas condições de conservação. As informações levantadas servirão para elaborar um relatório e os vereadores pretendem se reunir amanhã (15) para agendar uma audiência pública. Eles querem levar adiante a proposta de municipalização não só do estádio, mas de todo o complexo que inclui ainda o Maracanãzinho, o parque aquático Júlio Delamare e o estádio de atletismo Célio de Barros.

“A nossa proposta é apresentar um estudo para a prefeitura com a intenção de municipalizar o complexo sem custos para o município do Rio de Janeiro. Flamengo e Fluminense já demonstraram interesse em administrá-lo. Precisamos entregar para a população o Célio de Barros e o Júlio Delamare. Da forma que está é um abandono total. Acabaram os projetos sociais e esportivos que aconteciam nestes locais”, afirma Felipe Michel (PSDB), presidente da comissão.

Além dele, também participaram da visita os vereadores Ítalo Ciba (Avante) e Luiz Carlos Ramos Filho (Podemos). Conforme um comunicado divulgado após a visita, o estádio está em perfeito funcionamento. Eles encontraram o gramado em excelente estado e as cadeiras das arquibancadas sendo lavadas. Por outro lado, os vereadores observaram uma situação de abandono no parque aquático Júlio Delamare e no Célio de Barros.

Histórico

O Maracanã foi reformado para figurar como a principal sede da Copa do Mundo de 2014 e foi palco da final da competição. Dois anos depois, recebeu partidas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. Desde a reforma, o estádio passou a ser administrado pelo Consórcio Maracanã, vencedor da licitação pública que teria validade por 35 anos.

No entanto, o consórcio - formado pelas empresas Odebrecht, IMX e AEG - é responsável apenas pelo estádio de futebol e pelo Maracanãzinho. O parque aquático e o estádio de atletismo são geridos pela Superintendência de Desportos do Rio de Janeiro (Suderj), órgão vinculado ao governo estadual.

Em 2015, o Consórcio Maracanã começou a cogitar devolver o estádio ao governo do Rio devido a déficits operacionais. Ao fim dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016, a crise ganhou novas proporções. No momento da devolução do estádio pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) e pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), o consórcio recusou sob a alegação de que o equipamento não estava nas mesmas condições em que foi cedido.

Abandono

Diante do impasse e com o abandono da estrutura, houve depredações no local. Em janeiro de 2017, um busto de bronze de Mário Filho, patrono do Maracanã, além de dois monitores de televisão, foram furtados. A estátua do jogador Bellini, localizada em frente à entrada principal, foi pichada. Também no início do ano passado, a Justiça considerou que o Consórcio Maracanã continuava responsável pela administração. Uma decisão liminar determinou que o grupo reassumisse a manutenção e cumprisse o contrato. O volume das partidas de futebol, no entanto, foi se tornando cada vez menor, uma vez que os clubes avaliavam que o uso do estádio implicava em altos custos.

O Flamengo fez um acordo com a Portuguesa do Rio de Janeiro para reformar e usar seu estádio: a Arena da Ilha do Governador. Botafogo e Vasco priorizam, respectivamente, São Januário e Engenhão. Neste fim de semana, após quase dois meses sem partida, o estádio sediou o confronto entre Fluminense e Nova Iguaçu. Para além do futebol, o Maracanã vem conseguindo garantir uma agenda de eventos. Em fevereiro, o local foi palco de shows da dupla sertaneja Jorge e Matheus, do cantor inglês Phil Collins e da banda norte-americana Foo Fighters.

Para resolver a situação, a prefeitura já manifestou interesse na municipalização. O Flamengo também já sugeriu assumir o estádio em uma administração compartilhada com o Fluminense, ideia que enfrenta resistência de Vasco e Botafogo. Mas o governo do estado não deu nenhuma sinalização favorável a essas possibilidades.

No ano passado, foi cogitada uma nova licitação. O governo chegou a dialogar com empresas que manifestaram interesse em assumir a administração: os grupos franceses Lagardère e GL Events e a britânica CSM. No entanto, todas elas desistiram avaliando que não havia segurança jurídica. As investigações da Operação Lava Jato sobre a Odebrecht também influenciaram para o recuo das empresas estrangeiras.

Edição: Amanda Cieglinski

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212