Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Químico russo garante que ataque a ex-espião russo foi obra de Moscou - Jornal Brasil em Folhas
Químico russo garante que ataque a ex-espião russo foi obra de Moscou


O químico russo que revelou pela primeira vez a existência do agente neurotóxico Novichok declarou que apenas os russos podem estar por trás do uso dessa arma química na Grã-Bretanha contra um ex-espião e sua filha.

Vil Mirzayanov, de 83 anos, chegou aos Estados Unidos em 1995 depois de trabalhar por 30 anos para o Instituto Estatal de Pesquisa Científica de Química e Tecnologia, ou GNIIOKhT.

Foi ele quem revelou no início dos anos 90 a existência desse tipo de agentes neurotóxico poderoso, primeiro na imprensa russa durante a abertura que levou ao colapso da União Soviética e, em seguida, com fórmulas químicas em seu livro State Secrets (Segredos de Estado), publicado em 2007.

O ex-agente russo Sergey Skripal, de 66 anos, foi encontrado no dia 4 de março em estado crítico com sua filha Yulia no banco de um parque em Salisbury (sul da Inglaterra), onde morava há anos.

Londres diz que é altamente provável que Moscou esteja por trás do ataque com o agente neurotóxico.

Falando em sua casa em Princeton, Nova Jersey, Mirzayanov afirma estar convencido de que a Rússia realizou o ataque como uma forma de intimidar os opositores do presidente Vladimir Putin.

Somente os russos desenvolveram esse tipo de agente neurotóxico, afirmou o químico. Eles mantiveram e ainda mantêm o segredo.

A única outra possibilidade, acrescentou, é que alguém tenha utilizado as fórmulas publicadas em seu livro para fazer a substância.

- Intimidação -

Ele indicou que os russos poderiam argumentar que talvez alguém sintetizou a substância e poderiam me culpar.

Esta é a primeira vez que o agente neurotóxico, que levou 15 anos para ser desenvolvido e que foi testado em animais, foi usado para tentar matar uma pessoa, indicou Mirzayanov.

Porque agora? Mirzayanov acredita que o Kremlin quer intimidar os inimigos de Putin.

Ele citou como exemplo a hipótese de alguém que deixou a Rússia com material comprometedor para o presidente Donald Trump em relação à investigação sobre se sua campanha eleitoral esteve em conluio com Moscou para ajudá-lo a derrotar Hillary Clinton.

É muito perigoso para o Kremlin porque é uma conspiração contra os Estados Unidos, disse ele. Então eles ameaçam essa pessoa e dizem: Veja o que aconteceu com Skripal, o mesmo pode acontecer com você.

Mirzayanov considera que, mesmo que Skripal já não representasse problemas na Rússia, o Kremlin poderia tê-lo matado de maneira cruel apenas para intimidar os adversários potenciais.

- Efeitos incuráveis -

Um ataque com Novichok, que é 10 vezes mais poderoso do que o VX, é horrível e não tem cura, acrescentou, explicando que meio grama é suficiente para matar uma pessoa pesando 50 quilos.

Uma pessoa exposta ao agente neurotóxico primeiro tem sua visão desfocada, e se um antídoto não é aplicado, logo começa a sofrer convulsões violentas e não consegue respirar.

Eu vi o efeito em animais: em coelhos, cachorros. É horrível, disse ele.

Mesmo que não morram, Skripal e sua filha sofrerão pelo resto de seus dias, prevê.

Este agente neurotóxico é fácil de administrar porque é binário, o que significa que é o resultado da mistura de duas substâncias que são individualmente inofensivas.

Isso permite que ambos os componentes sejam transportados de forma segura, e depois misturados para fabricar o agente e colocá-lo em uma arma pulverizadora.

Mirzayanov afirmou que, apesar do horror do ataque, poderia surgir algo bom: que o Reino Unido e outros países ocidentais insistam que que o Novichok seja registrado na Convenção para a Proibição de Armas Químicas, como ele próprio pede há mais de 20 anos.

Se fosse assim, talvez o ataque de Salisbury não tivesse ocorrido.

Agora que Mirzayanov fala abertamente sobre o Novichok, seus amigos pedem que tenha cuidado, para que Moscou não busque represálias contra ele.

Mas eu já vivi bastante tempo. Eles não podem me impedir. Vou trabalhar até o fim para que o Novichok seja submetido ao controle internacional, disse ele.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212