Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Apesar de #MeToo, diferença salarial persiste em Hollywood - Jornal Brasil em Folhas
Apesar de #MeToo, diferença salarial persiste em Hollywood


Apesar do sucesso dos movimentos #MeToo e Times Up, as mulheres continuam ganhando menos que os homens em Hollywood. O último exemplo é Claire Foy, a rainha Elizabeth II de The Crown, que ganha menos que seu príncipe consorte.

Os produtores da série Netflix admitiram que Foy, que atuou como a rainha nas duas primeiras temporadas, ganhou menos que seu colega Matt Smith, que interpretou o príncipe Philip de Edimburgo.

A disparidade entre os salários de atores e atrizes em Hollywood não é novidade. A classificação dos atores mais bem pagos do mundo, publicada pela revista Forbes, demonstra isso a cada ano.

Em 2017, Emma Stone, a atriz mais bem paga do mundo, teria terminado em 15º lugar se a classificação fosse mista.

Mas, fora a Forbes, há poucos dados e estudos sérios, e o silêncio reina no assunto.

Os agentes dizem que você não deve falar sobre o problema, diz Melissa Silverstein, fundadora do site Women and Hollywood. Nós não compartilhamos essa opinião.

Mas nos últimos meses, graças ao impulso histórico com a defesa das mulheres no escândalo de Weinstein, começaram a surgir sinais de revolta e questionamento do status quo.

No início de janeiro, a imprensa dos Estados Unidos revelou que a atriz Michelle Williams recebeu mil dólares para regravar cenas do filme Todo o dinheiro do mundo, enquanto seu parceiro de tela Mark Wahlberg pagou 1,5 milhão de dólares.

A controvérsia levou ao ator americano - o mais pago em Hollywood - a se comprometer publicamente a doar todo o valor recebido para o fundo de defesa legal da nova associação Times Up, que combate o abuso sexual, nascida após o escândalo de Weinstein.

Para Silverstein, o simples fato de a questão ser discutida já é revolucionário e um fator de mudança.

No caso Foy, a situação parece mudar, mas talvez tarde demais.

A partir de agora, ninguém vai receber mais que a rainha, prometeu nesta terça-feira Suzanne Mackie, uma das produtoras-executivas da série.

Contudo, Foy será substituída por Olivia Colman, para interpretar uma rainha Elizabeth mais velha na terceira temporada.

Silverstein acredita que, mesmo assim, o anúncio é importante e que estúdios e produtores já não podem ignorar o debate.

Devem subir no trem, porque ele está andando, afirmou. É preciso avançar no sentido da história.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212