Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Democratas apostam em onda contra Trump nas legislativas - Jornal Brasil em Folhas
Democratas apostam em onda contra Trump nas legislativas


Os democratas americanos estavam eufóricos nesta quarta-feira (14) depois de terem sido declarados vencedores em uma eleição legislativa parcial na Pensilvânia, um reduto republicano, o que segundo eles simboliza a decepção dos que votaram em Donald Trump para presidente.

Ainda não se sabem os resultados oficiais nesta 18° circunscrição da Pensilvânia, mas na noite desta terça-feira, o democrata Conor Lamb declarou sua vitória. Ainda faltavam contar milhares de votos enviados por correspondência, mas levava 0,2% de vantagem em relação ao republicano Rick Saccone.

A participação nesta eleição foi relativamente elevada e isso se deve a muitos fatores.

A eleição foi considerada um teste para Trump, cuja presidência continua salpicada por várias demissões e renúncias, e que ao mesmo tempo tomou medidas econômicas para ajudar as indústrias metalúrgicas em decadência, que já foram fonte de riquezas neste lugar localizado ao sul de Pittsburgh, antiga capital siderúrgica.

A pouco tempo das eleições de meio de mandato, a dinâmica a favor dos candidatos democratas é indiscutível, disse o presidente do partido Democrata, Tom Perez. Nada deterá os democratas. A Pensilvânia é só começo.

Em 6 de novembro serão celebradas as eleições de meio de mandato, que serão renovados os 435 assentos da Câmara de Representantes por dois anos e um terço (35 assentos de 100) do Senado por seis.

Atualmente, as duas câmaras do Congresso estão nas mãos dos republicanos, mas o partido do presidente teme uma derrota como a do ex-presidente Barack Obama em 2010.

O que escutam é um ruido de uma onda azul iminente, disse Bradley Beychok, presidente da organização pro-democrata American Bridge. Os resultados da Pensilvânia anunciam uma catástrofe para os republicanos em novembro: se não chegam a ganhar em um ex-reduto republicano, nenhuma circunscrição está a salvo.

- Sinal de alarme -

Os democratas querem acreditar que a instabilidade permanente na Casa Branca e a personalidade do presidente provocam o afastamento dos eleitores. Nos últimos dias, vários colaboradores próximos de Trump renunciado ou foram demitidos pelo mandatário, sem contar o chefe da diplomacia Rex Tillerson, demitido na terça-feira.

Mas os democratas podem não reproduzir o feito da Pensilvânia em todo o país.

O presidente é popular aqui, disse Lamb na quarta-feira à rede CNN. Mas enquanto fazemos a campanha na vida real, essas divisões desaparecem. Conheço gente que votou no presidente e em mim, acrescentou.

Lamb é uma democrata conservador: se opõe a reforçar as leis sobre o controle de armas, rejeita a prática do aborto e é a favor da imposição de tarifas sobre o aço e o alumínio, concordando com o anúncio feito por Trump ma semana passada.

O democrata é um reflexo dos habitantes de sua circunscrição. Muitos são da classe trabalhadora: aliados aos sindicatos locais, vinculados com as históricas lutas econômicas e sociais dos democratas em saúde, emprego e salários.

No entanto, Lamb não está alinhado à ortodoxia cultural democrata. Rejeitou prestar lealdade à líder dos democratas, Nancy Pelosi, uma ultra-progressista de San Francisco, nada querida pelos republicanos.

Enquanto os democratas continuam apoiando candidatos que representam de forma exata os eleitores, temos uma verdadeira oportunidade de conquistar e conservar circunscrições moderadas em todo o país, comentou Kurt Schrader, líder dos parlamentares democratas moderados que desde a década de 90 se definem como Blue Dogs.

O presidente republicano da Câmara, Paul Ryan, concordou com este ponto. Ele argumentou que em outros lugares os democratas elegerão candidatos muito mais alinhados à esquerda do que Lamb. Ironizou e disse que o ganhador da Pensilvânia em todos os casos seria um conservador pró-vida, pró-armas e anti-Nancy Pelosi.

Seja como for, o resultado na Pensilvânia é um sinal de alarme para seu partido, concluíram os republicanos em uma reunião a portas fechadas, segundo uma fonte que esteve presente no encontro.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212