Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Democratas apostam em onda contra Trump nas legislativas - Jornal Brasil em Folhas
Democratas apostam em onda contra Trump nas legislativas


Os democratas americanos estavam eufóricos nesta quarta-feira (14) depois de terem sido declarados vencedores em uma eleição legislativa parcial na Pensilvânia, um reduto republicano, o que segundo eles simboliza a decepção dos que votaram em Donald Trump para presidente.

Ainda não se sabem os resultados oficiais nesta 18° circunscrição da Pensilvânia, mas na noite desta terça-feira, o democrata Conor Lamb declarou sua vitória. Ainda faltavam contar milhares de votos enviados por correspondência, mas levava 0,2% de vantagem em relação ao republicano Rick Saccone.

A participação nesta eleição foi relativamente elevada e isso se deve a muitos fatores.

A eleição foi considerada um teste para Trump, cuja presidência continua salpicada por várias demissões e renúncias, e que ao mesmo tempo tomou medidas econômicas para ajudar as indústrias metalúrgicas em decadência, que já foram fonte de riquezas neste lugar localizado ao sul de Pittsburgh, antiga capital siderúrgica.

A pouco tempo das eleições de meio de mandato, a dinâmica a favor dos candidatos democratas é indiscutível, disse o presidente do partido Democrata, Tom Perez. Nada deterá os democratas. A Pensilvânia é só começo.

Em 6 de novembro serão celebradas as eleições de meio de mandato, que serão renovados os 435 assentos da Câmara de Representantes por dois anos e um terço (35 assentos de 100) do Senado por seis.

Atualmente, as duas câmaras do Congresso estão nas mãos dos republicanos, mas o partido do presidente teme uma derrota como a do ex-presidente Barack Obama em 2010.

O que escutam é um ruido de uma onda azul iminente, disse Bradley Beychok, presidente da organização pro-democrata American Bridge. Os resultados da Pensilvânia anunciam uma catástrofe para os republicanos em novembro: se não chegam a ganhar em um ex-reduto republicano, nenhuma circunscrição está a salvo.

- Sinal de alarme -

Os democratas querem acreditar que a instabilidade permanente na Casa Branca e a personalidade do presidente provocam o afastamento dos eleitores. Nos últimos dias, vários colaboradores próximos de Trump renunciado ou foram demitidos pelo mandatário, sem contar o chefe da diplomacia Rex Tillerson, demitido na terça-feira.

Mas os democratas podem não reproduzir o feito da Pensilvânia em todo o país.

O presidente é popular aqui, disse Lamb na quarta-feira à rede CNN. Mas enquanto fazemos a campanha na vida real, essas divisões desaparecem. Conheço gente que votou no presidente e em mim, acrescentou.

Lamb é uma democrata conservador: se opõe a reforçar as leis sobre o controle de armas, rejeita a prática do aborto e é a favor da imposição de tarifas sobre o aço e o alumínio, concordando com o anúncio feito por Trump ma semana passada.

O democrata é um reflexo dos habitantes de sua circunscrição. Muitos são da classe trabalhadora: aliados aos sindicatos locais, vinculados com as históricas lutas econômicas e sociais dos democratas em saúde, emprego e salários.

No entanto, Lamb não está alinhado à ortodoxia cultural democrata. Rejeitou prestar lealdade à líder dos democratas, Nancy Pelosi, uma ultra-progressista de San Francisco, nada querida pelos republicanos.

Enquanto os democratas continuam apoiando candidatos que representam de forma exata os eleitores, temos uma verdadeira oportunidade de conquistar e conservar circunscrições moderadas em todo o país, comentou Kurt Schrader, líder dos parlamentares democratas moderados que desde a década de 90 se definem como Blue Dogs.

O presidente republicano da Câmara, Paul Ryan, concordou com este ponto. Ele argumentou que em outros lugares os democratas elegerão candidatos muito mais alinhados à esquerda do que Lamb. Ironizou e disse que o ganhador da Pensilvânia em todos os casos seria um conservador pró-vida, pró-armas e anti-Nancy Pelosi.

Seja como for, o resultado na Pensilvânia é um sinal de alarme para seu partido, concluíram os republicanos em uma reunião a portas fechadas, segundo uma fonte que esteve presente no encontro.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212