Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Corte Interamericana responsabiliza Brasil por desrespeito a direitos indígenas - Jornal Brasil em Folhas
Corte Interamericana responsabiliza Brasil por desrespeito a direitos indígenas


A Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) publicou nesta semana decisão em que considera o Estado Brasileiro responsável pelo desrespeito a diversos direitos do povo Xukuru, como a não demarcação de suas terras tradicionais, a ausência de proteção legal e a falta de garantia de um processo judicial em prazos razoáveis.

A CIDH avaliou que o processo de demarcação dos territórios tradicionais na cidade de Pesqueira (PE) está demorando excessivamente e determinou que o governo federal garanta o direito à propriedade dos Xukuru, realizando procedimentos para encerrar o processo, como o pagamento das indenizações e a retirada de fazendeiros e posseiros da área. Outra decisão foi o encerramento dos processos judiciais ajuizados por fazendeiros envolvendo a área.

A corte deu prazo máximo de 18 meses para que as determinações sejam cumpridas. Em um ano o governo federal deverá apresentar um relatório detalhando o andamento das ações adotadas. Além disso, sentenciou o governo a pagar indenização aos Xukuru por dano imaterial no valor de R$ 3,3 milhões.

O povo Xukuru é formado por cerca de 2.200 pessoas em 24 comunidades em seu território no estado de Pernambuco, além de outras 4.000 no município de Pesqueira, onde estão as terras cuja demarcação é pleiteada pelos indígenas.

Decisão inédita

“No tempo em que o Estado brasileiro demorou para demarcar a terra indígena, na Serra do Ororubá, o povo Xukuru conviveu com assassinatos, ameaças e criminalizações. Nosso direito à terra foi negado pelo Estado. As perdas são irreparáveis, mas sentimos que alguma justiça foi feita”, comemorou o cacique Marcos Xukuru.

Na avaliação do advogado do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) Adelar Cupsinski, que acompanhou o caso, a decisão foi histórica por ter sido a primeira condenação do Estado Brasileiro em matéria de direitos indígenas.

“Isso vai refletir dentro dos órgãos públicos brasileiros para que cumpram as determinações e acredito que vai impactar positivamente também dentro dos tribunais brasileiros para que comecem a acolher as posições da CIDH”, afirmou.

Histórico

O processo de demarcação teve início em 1989. Argumentando lentidão no andamento, os indígenas começaram ações de retomada em 1990. Em 1992 um indígena foi assassinado. Em 1995, um advogado da Funai que auxiliava os Xukuru também foi morto. Em 1998, foi a vez do cacique Chicão e, em 2001, do cacique Chico Quelé.

Em 2003, o filho do cacique Chicão, Marcos Xukuru, sofreu emboscada na qual dois indígenas foram assassinados. Segundo o Cimi, a investigação do assassinato do cacique Chicão teve cinco delegados da Polícia Federal e, no fim, não chegou a conclusões. Em decorrência do povo e do Ministério Público Federal, novo delegado foi nomeado e descobriu que o homicídio foi obra de um fazendeiro.

Em 2002, o Cimi e o Gabinete de Assessoria Jurídica de Organizações Populares (Gajop) ingressaram com ação na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, que foi aceita. Em 2015, a Comissão concluiu que o Estado Brasileiro estava demorando excessivamente no processo de demarcação e enviou pra Corte Interamericana de Direitos Humanos o processo, que promoveu audiência pública em 2017 e proferiu sua decisão nesta semana.

Funai

A Agência Brasil procurou a Funai mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Edição: Maria Claudia

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212